Força Nacional pode retirar fazendeiros da Raposa, diz Tarso

Ministro da Justiça disse que espera não encontrar resistência por parte dos arrozeiros que estão na área

Agência Brasil ,

24 de março de 2009 | 19h29

A Força Nacional de Segurança, a Polícia Federal e "se necessário também a Polícia Rodoviária Federal" estarão à disposição do plano de retirada dos produtores rurais não-índios que ocupam parte da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima.

 

Veja também:

linkRetirada de arrozeiros de reserva é de novo adiada

linkSTF mantém demarcação e manda arrozeiros deixarem Raposa

forum STF acertou em sua decisão sobre reserva?

especialEspecial: A disputa pela Raposa Serra do Sol 

video Repórter do 'Estado' analisa decisão do STF

blog Blog: Saiba como foi o julgamento

video Assista aos principais trechos do julgamento

especialVeja quais são as 19 condições do STF à Raposa Serra do Sol

mais imagens Galeria de fotos da sessão no STF (1)

mais imagens Galeria de fotos da sessão no STF (2)

especialEntenda a sessão do STF e veja como votaram os ministros em outras questões 

documentoLeia a íntegra do voto do relator, a favor da demarcação contínua 

documentoLeia a íntegra do voto de Marco Aurélio Mello, contra a demarcação contínua 

especialÍndios comemoram no STF; arrozeiro quer saída em maio

 

O ministro da Justiça, Tarso Genro, confirmou que na quarta-feira, 25, vai levar ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Ayres Britto o número de policiais que poderão participar de uma eventual ação e a que tempo eles estarão disponíveis para atuar.

 

"A Força Nacional já está alertada, parte dela já está preparada para uma intervenção, se isso for necessário", afirmou o ministro.

 

Além das informações sobre a disponibilidade operacional das polícias, Tarso também deve apresentar ao ministro Ayres Britto um levantamento sobre a atual ocupação dos produtores de arroz na terra indígena.

 

Apesar de garantir que as forças policiais poderão atuar na desocupação da reserva, Tarso Genro disse que espera não encontrar resistência por parte dos arrozeiros que estão na área. "Nós esperamos que a saída das pessoas que estão ocupando ilegalmente terras publicas, terras indígenas, seja uma saída pacífica."

 

Também devem participar da reunião de amanhã o advogado-geral da União, José Antonio Dias Toffoli, o presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Jirair Aram Migueriam, e representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

 

Com as informações que serão levadas por esses órgãos, o ministro Ayres Britto, relator da ação que questionava a constitucionalidade da demarcação contínua da terra indígena , vai determinar como será feita a retirada dos produtores rurais não-índios da Raposa Serra do Sol e o prazo para que isso aconteça. Na semana passada, foi encerrado o julgamento da ação. Por 10 votos a 1, o Supremo decidiu manter a demarcação contínua da terra indígena.

 

Questionado sobre qual deveria ser o prazo, o ministro Tarso Genro preferiu não expressar qualquer opinião. "Gostaria, mas não devo", desconversou.

Tudo o que sabemos sobre:
Raposa Serra do Sol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.