Força Nacional está pronta se precisar ir à Raposa, diz Tarso

Ministro diz que 220 homens podem ir para a área da reserva indígena se houver resistência dos arrozeiros

Agência Brasil,

26 de março de 2009 | 17h09

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou nesta quinta-feira, 26, que 220 homens da Força Nacional estão prontos para atuar na reserva indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, caso os não-índios - em sua maioria produtores de arroz - não deixem o local de forma pacífica. Ele reforçou ainda que o governo poderá deslocar "quantos homens da Polícia Federal forem necessários" para a região. "Mas achamos que a desocupação vai ser tranquila."

 

Veja também:

linkSTF dá prazo até 30 de abril para arrozeiros deixarem Raposa

linkSTF mantém demarcação e manda arrozeiros deixarem Raposa

forum STF acertou em sua decisão sobre reserva?

especialEspecial: A disputa pela Raposa Serra do Sol 

video Repórter do 'Estado' analisa decisão do STF

blog Blog: Saiba como foi o julgamento

video Assista aos principais trechos do julgamento

especialVeja quais são as 19 condições do STF à Raposa Serra do Sol

mais imagens Galeria de fotos da sessão no STF (1)

mais imagens Galeria de fotos da sessão no STF (2)

especialEntenda a sessão do STF e veja como votaram os ministros em outras questões 

documentoLeia a íntegra do voto do relator, a favor da demarcação contínua 

documentoLeia a íntegra do voto de Marco Aurélio Mello, contra a demarcação contínua 

especialÍndios comemoram no STF; arrozeiro quer saída em maio

 

Após participar de reunião com o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, sobre violência nas estradas, Tarso disse que, até o momento, as pessoas estão deixando a reserva de maneira espontânea. Ele lembrou que a orientação dada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) é que o governo aguarde 30 dias para a retirada.

 

"Quando for necessário o uso da força, usaremos a partir de determinação do ministro-relator [Carlos Ayres Britto] e não por determinação administrativa do Ministério da Justiça ou da Polícia Federal. Por enquanto, está tudo normal."

 

Tarso garantiu ter conversado com lideranças da reserva e que o Tribunal Federal da 1ª Região vai manter o controle da situação no local. Ele reforçou que a decisão do STF deve ser cumprida e que está "absolutamente claro" que a área é propriedade da União e território nacional. "Portanto, a União tem uma dupla jurisdição e dupla competência."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.