Força ironiza proposta de reajuste do mínimo duas vezes ao ano

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, disse que se fosse do governo demitiria quem inventou a proposta de conceder o reajuste do salário mínimo duas vezes por ano. A proposta estaria sendo estudada pelo governo, para conseguir a aprovação do mínimo de R$ 260 na Câmara. Segundo Paulinho, essa proposta criaria uma situação embaraçosa para o governo, porque seria o caminho para os trabalhadores do setor privado reivindicarem a correção dos seus salários a cada seis meses, o que na prática representaria a volta da reindexação da economia brasileira. "Quem inventou isso aí é um cabeça de bagre. Deveria ser demitido, porque está trabalhando contra o governo", ironizou Paulinho, ao chegar à residência do presidente da Câmara dos Deputados, José Paulo Cunha, para a reunião com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, sobre a correção da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). Para ele, a proposta é uma "enganação", porque o governo não vai fazer o reajuste duas vezes por ano. Na avaliação do sindicalista, o governo quer com isso aprovar o reajuste do mínimo para R$ 260 no Congresso Nacional. Já o presidente da Confederação Geral dos Trabalhadores, Antonio Carlos dos Reis, o Salim, gostou da proposta de correção do mínimo duas vezes por ano e também acha que ela deve ser estendida para todos os trabalhadopres do setor privado. Ele defende a correção dos salários sempre que a inflação chegar a 3%. "Uma inflação de 3% é muito para o trabalhador", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.