'Fora Sarney' reúne 5,8 mil no Twitter e faz 'passeata virtual'

Orientação da campanha virtual contra o presidente do Senado era 'entupir a caixa de entrada dos senadores'

Gisele Silva, do estadao.com.br,

15 Julho 2009 | 18h17

A campanha "Fora Sarney", que reúne 5,8 mil seguidores no Twitter - rede de microblogs que permite postagens de no máximo 140 caracteres -, realizou uma "passeata virtual" nesta quarta-feira, 15, entre 15 e 16 horas, orientando os internautas a enviar e-mails aos senadores com o pedido de saída do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). "Vamos entupir a caixa de entrada dos senadores", era a recomendação com o link para a lista de e-mails no Senado.

 

Veja Também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

 

Sarney vem sendo alvo de uma série de denúncias que teve início com a revelação, em reportagem do Estado, da existência dos atos secretos no Senado. O peemedebista também é acusado de favorecer o neto em contratos de crédito consignado na Casa e de ter desviado parte dos recursos que a Petrobras repassou à Fundação Sarney por meio da Lei Rouanet.

 

Senadores da base aliada e da oposição defendem que Sarney deixe a presidência da Casa até o fim das investigações, mas o peemedebista resiste no cargo. O Conselho de Ética, instalado nesta quarta, deverá analisar quatro pedidos de investigação do senador: um do PSOL e três do líder tucano Arthur Virgílio.

 

A próxima reunião do conselho foi marcada para 5 de agosto, após o recesso que tem início nesta sexta-feira. Para o comando do órgão, foi eleito o senador Paulo Duque (PMDB-RJ), indicado do líder do PMDB, Renan Calheiros (PMDB-AL), aliado de Sarney. Muitos senadores interpretam a escolha como mais uma manobra para blindar Sarney e livrá-lo das acusações no Senado.  

Mais conteúdo sobre:
Fora, SarneyTwittermicroblog

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.