Clayton de Souza/AE
Clayton de Souza/AE

Fora do governo Alckmin, Cintra deixa presidência do PRB

Ele afirmou ter tido desencontros com cúpula da sigla durante articulação da aliança com tucanos

atualizado em 29.05 às 11h45, Ricardo Chapola e Thais Arbex - O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2013 | 16h35

SÃO PAULO - Preterido pelo seu partido na costura da aliança com governo de Geraldo Alckmin (PSDB), o ex-secretário Marcos Cintra decidiu deixar a presidência estadual do PRB quatro meses depois de tomar posse. O nome de Cintra foi aventado nas negociações com o Palácio dos Bandeirantes para ocupar um cargo na administração estadual em troca do apoio da legenda à reeleição de Alckmin em 2014. Mas o indicado pelo PRB acabou sendo o empresário Rogério Hamam, que irá chefiar agora a Secretaria de Desenvolvimento Social.

Segundo Cintra, a única exigência feita por Alckmin era de que o nome apresentado pelo PRB fosse desvinculado da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), denominação religiosa ligada à sigla. Cintra não tem ligações com a igreja e esperava sua indicação. Ele foi secretário de Trabalho na gestão de Gilberto Kassab. Em reunião nessa terça com a cúpula do partido, Cintra teria admitido desconforto em não participar da condução das negociações com o governador.

Como justificativa à renúncia, Cintra disse que a estrutura do PRB é "muito fechada"

"Foi um mal entendido muito grande com a presidência nacional em cima da questão da indicação do nosso nome (para assumir a secretaria do governo Alckmin). Foram algumas disputas internas", disse Cintra ao Estado. "E achamos melhor eu sair da presidência. Porque é uma estrutura muito fechada, muito rígida. Mas não houve nenhuma briga", afirmou Cintra, que não descarta sair do partido.

Segundo ele, Hamam era indicação da cota do presidente nacional do PRB, Marcos Pereira. O empresário foi coordenador de Turismo e Lazer durante a campanha de Celso Russomanno (PRB) à Prefeitura de São Paulo no ano passado.

Com a saída de Cintra, a presidência da sigla em São Paulo fica interinamente com o deputado Vinícius Carvalho, antigo presidente e nome ligado à igreja. Correligionários pedem que Marcos Pereira acumule o comando nacional e estadual.

Contemplar o PRB no governo estadual fez parte de um acordo entre Alckmin e Pereira. Em troca do comando da pasta, o tucano tirou uma pedra do caminho para tentar a reeleição: a então potencial candidatura Russomanno ao governo em 2014. Em 2012, Russomanno permaneceu na dianteira da disputa durante praticamente todo o primeiro turno, mas terminou em terceiro após uma série de ataques dos seus adversários. Ele terminou a disputa municipal com 1.324.021 de votos válidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.