Fome Zero arrecada 18 vezes menos que Criança Esperança

O ministro extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome, José Graziano, avaliou que os depósitos com doações para o programa Fome Zero estão aquém do estimado pelo governo para essa época do ano. Segundo Graziano, a conta do programa possui pouco mais de R$ 500 mil. "Os depósitos ainda não correspondem às promessas que tivemos", afirmou, após participar do seminário "O Papel da Iniciativa Privada no Combate à Fome", realizado em São Paulo.Durante o evento, Graziano informou que além do Brasil, a Rússia também está aplicando um programa de erradicação da fome e, segundo ele, Argentina e Timor Leste também consideram a possibilidade de adotarem a mesma estratégica.Quanto à Argentina, o ministro não esclareceu se o combate à fome foi um dos assuntos tratados no recente encontro entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Néstor Kirchner, candidato argentino favorito nas eleições presidenciais argentinas. Muito menos que o Criança Esperança O que o Fome Zero arrecadou em quatro meses e meio, não descontada a verba publicitária para pagar a gigantesca campanha em TV, jornais, revistas e outdoors, é cerca de 18 vezes menos do que o projeto Criança Esperança da Globo arrecadou em 2001. O projeto Criança Esperança não tem custo publicitário e os artistas que participam não cobram cachê. A arrecadação foi de R$ 8.810.401,00.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.