Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Fome Zero apura irregularidade no cadastramento de famílias

O ministro extraordinário da Segurança Alimentar, José Graziano, disse hoje que os comitês gestores do Programa Fome Zero identificaram diversas pessoas que foram incluídas indevidamente no cadastro dos municípios onde o programa já foi implantado e que não preenchem os critérios para receber o benefício de R$ 50 mensais por meio do Cartão-Alimentação."Nós estamos tendo de checar a lista exatamente por isso. O cadastro que nós recebemos e que estava pronto no ano passado tem muitas dessas pessoas que foram incluídas indevidamente, por favorecimento, por parentesco, por oportunismo...", afirmou Graziano, após participar de uma solenidade, no Palácio da Liberdade, que oficializou a adesão do governo mineiro ao Fome Zero.Graziano, contudo, garantiu que nenhum benefício foi pago indevidamente. O Cartão Alimentação é destinado às famílias que possuem renda mensal de até meio salário mínimo. "Nesse primeiro momento, nós não tivemos ainda registro, nos quase 200 municípios em que o programa está implantado, de nenhuma denúncia de pessoas que estejam recebendo indevidamente", salientou.O ministro disse que as próprias comunidades têm fiscalizado e exigido o cumprimento dos critérios definidos. "Na hora que essa lista é publicada. Na hora que essa lista é divulgada na rádio, afixada na porta da igreja, na porta da prefeitura, na porta da câmara, há uma reação social a essa inclusão indevida. De modo que nós não estamos tendo problemas de excluir essas pessoas da lista. Às vezes até as pessoas têm tomado a iniciativa de se auto excluir". Segundo ele, grande parte dessas famílias excluídas pelos comitês gestores são de pessoas que trabalham nas prefeituras municipais ou que, no ano passado, "foram favorecidas no processo político". Graziano não quis comentar a informação de que a assessora especial da Presidência, Miriam Belchior, irá coordenar um programa único de transferência de renda às famílias pobres. De imediato, 38 municípios dos vales do Jequitinhonha e Mucuri serão incluídos no programa. De acordo com Graziano, no prazo de um mês, as cerca de 18 mil famílias que serão inicialmente beneficiadas deverão estar recebendo os recursos. Os municípios mineiros - entre eles Itinga, cidade localizada no semi-árido mineiro que foi visitada há cinco meses pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva - foram selecionados por critérios como a quantidade de habitantes e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). As cidades selecionadas possuem menos de 50 mil habitantes e IDH inferior a 0,7, "abaixo da média apresentada no nordeste brasileiro", observou o governador Aécio Neves (PSDB). O tucano afirmou que o governo mineiro já possui uma política própria coordenada pelo Conselho Estadual de Segurança Alimentar (Consea-MG). "Essa prioridade (Fome Zero) encontra nas terras mineiras talvez a sua irmã siamesa".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.