'Foi cuspe trocado', diz testemunha de Jean Wyllys no Conselho de Ética

Luiz Sérgio (PT-RJ) afirma que Bolsonaro chamou colega de 'bichinha' e 'franguinha' antes de receber cusparada de parlamentar do PSOL e que filho do deputado do PSC retribuiu gesto

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2016 | 16h03

BRASÍLIA - O Conselho de Ética retomou nesta tarde a oitiva das testemunhas do episódio envolvendo a cusparada do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) em Jair Bolsonaro (PSC-RJ) no dia 17 de abril, data da votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados.

Em seu depoimento, o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ) disse que ouviu Bolsonaro provocar Wyllys, chamando de "bichinha", "franguinha" e "queima-rosca". O petista disse que no dia da sessão o clima de disputa estava conflagrado e, assim como outros parlamentares, Wyllys teve de enfrentar um verdadeiro "corredor polonês" na hora de declarar seu voto.

"Agora é a vez do bichinha", teria dito Bolsonaro, segundo Luiz Sérgio. O parlamentar viu o momento do cuspe em direção a Bolsonaro e disse que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) também retribuiu o cuspe, respingando sobre seu cabelo. "Foi cuspe trocado", relatou.

Luiz Sérgio disse que viu a tentativa de se criar um fato político envolvendo Wyllys e que se fosse ele naquela situação, não saberia dizer como reagiria à provocação. O petista afirmou que o episódio precisa servir de reflexão no Parlamento de como os deputados devem conviver com o diferente, como travestis e transexuais, que futuramente poderão ser eleitos. "É preciso debater procedimentos de como conviver com o diferente de forma responsável", pregou.

Já os aliados de Bolsonaro têm sustentado no conselho de que ele não provocou Wyllys, apenas usou a expressão "Tchau, querida", termo usado para provocar os defensores da ex-presidente Dilma. "A fala era repetida aleatoriamente, não tinha intenção de atingir ninguém", disse o deputado Marcus Vicente (PP-ES).

Wyllys responde a processo por quebra de decoro parlamentar e pode ser suspenso por até seis meses pelo "ato atentatório". A análise da representação ainda está em fase preliminar e caberá ao colegiado decidir se dará prosseguimento ou se vai arquivar o processo. O processo contra Wyllys é fruto de seis representações levadas à Corregedoria da Casa, sendo duas delas do ator Alexandre Frota. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.