Fogaça é o 1º prefeito reeleito em Porto Alegre

Candidato, que já governou a cidade pelo PPS, obteve ontem 58,95% dos votos válidos; PMDB conquista capital gaúcha pela primeira vez

Elder Ogliari, PORTO ALEGRE, O Estadao de S.Paulo

27 de outubro de 2008 | 00h00

As urnas confirmaram as pesquisas e José Fogaça conseguiu se tornar o primeiro prefeito reeleito em Porto Alegre e o primeiro eleito pelo PMDB na capital gaúcha, com 470.696 votos (58,95% dos válidos), derrotando a petista Maria do Rosário. Em 2004, quando conquistou o primeiro mandato, Fogaça era filiado ao PPS.A vitória na capital soma-se às outras 143 somadas pelo partido no primeiro turno, entre as quais os importantes colégios eleitorais de Caxias do Sul e Santa Maria.Pouco antes das 20 horas, Fogaça discursou para os militantes que festejavam a vitória diante do comitê de campanha, na Avenida João Pessoa, afirmando que o projeto político que venceu é o que implantou na cidade um ciclo de mudanças. Em seu momento mais feliz, aos 61 anos, chamou o senador Pedro Simon (PMDB) de "mentiroso" por tê-lo convencido a concorrer a deputado estadual em 1978, com a missão de ficar apenas um mandato, ajudando a criar condições políticas para a redemocratização. Fogaça se elegeu naquele ano e não conseguiu mais largar a política. Tornou-se deputado federal em 1982, senador em 1986 e 1994 e prefeito em 2004. Na comemoração, disse que não há honra maior que ser prefeito de sua cidade, mas no PMDB é visto como potencial candidato ao governo do Estado.O apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que pediu votos nos últimos três dias de campanha, e da deputada federal Manuela D?Ávila (PC do B), que participou de um ato no sábado, e o tom mais agressivo que usou nos últimos debates não foram suficientes para a deputada Maria do Rosário reverter a desvantagem. Ao reconhecer a derrota, ela desejou um "bom governo" ao vencedor e prometeu estar ao lado dele, como deputada federal, defendendo os interesses da cidade.Apesar da derrota eleitoral, Maria do Rosário disse que se considera vencedora porque conseguiu atingir uma das duas metas que tinha na campanha, que era de mostrar que os ideais de democracia e pluralismo da Frente Popular estão vivas na cidade e representados pelos 327.799 votos (41,05% dos válidos) que conseguiu. "Saibam também aqueles setores que pautam a vida política pelo preconceito, que se dizem antipetistas, que a Frente Popular foi abraçada pelo povo de nossa cidade 20 anos depois da vitória do companheiro Olívio Dutra."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.