Focos de malária param reforma agrária

O Ministério do Desenvolvimento Agrário decidiu ontem suspender as desapropriações de fazendas e o assentamento de famílias em áreas com focos de malária. O ressurgimento da doença em vários pontos do País poderá levar o governo a transferir famílias assentadas. A decisão de suspender a reforma agrária em áreas com focos de malária se deve a um levantamento do Ministério da Saúde mostrando que 99,7% de todos os casos de malária no País são registrados na Amazônia. Um cruzamento de dados concluiu que 60% de todos os casos da doença têm origem nos projetos de assentamentos. Em 1999, por exemplo, foram registrados 632 mil casos de malária no País.Atestado - Nenhum assentamento será feito em áreas com focos de malária e a reforma agrária vai depender da emissão de um "atestado de aptidão sanitária", documento que será elaborado por técnicos do Ministério da Saúde. O governo ainda não tem uma avaliação do impacto que a medida pode causar em toda a reforma agrária Leia Mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.