Focos de dengue ainda são numerosos no País

Apesar de o número de casos de dengue no País ter diminuído em 78% em comparação com o ano passado, os índices de foco do mosquito Aedes aegypti ainda são altos em várias cidades consideradas prioritárias pela vigilância epidemiológica.Somente em Minas Gerais, das 74 cidadesanalisadas, 17 apresentavam um índice de infestação do mosquito superior a 2% dosimóveis. Da amostra do Estado, 39% dos municípios registraram número de focos maior do que o considerado adequado pela Organização Mundial de Saúde ? até 1%. Os dados foram reunidos pela Fundação Nacional de Saúde (Funasa).?A situação é bem melhor do que no ano passado. Mas não há dúvida de que é preciso reforçar o trabalho para reduzir o número de focos do mosquito?, afirmou o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa. Dos 14 municípios que integram o Grande Rio, apenas Guapimirim apresenta um índice inferior a 1%.Barbosa considera índices entre 1% e 2% possíveis de serem controlados com ação rápida. A situação é bem mais difícil, completa, quando a porcentagem é superior a 5%. ?Nesses casos, há um risco elevado de transmissão da doença.? Em São Paulo, algumas regiões apresentam porcentagens consideradas muito altas.Como Ribeirão Preto, que registrou em uma de suas áreas 16,3% de infestação. Isso significa que, a cada 100 casas vistoriadas, 16 traziam focos do mosquito transmissor da doença, o Aedesaegypti.A pior situação é a do Espírito Santo, avalia Barbosa. Ele atribui o grande número decasos da doença a deficiências no trabalho de prevenção no último ano no Estado. ?É preciso que a vigilância seja constante. Apesar de a situação estar em uma calma relativa, há ainda muito o que fazer para afastar o risco de uma epidemia de grandes proporções, como a que foi registrada no ano passado em algumas áreas do País.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.