FMI reduz para 4% projeção de crescimento do Brasil

Em julho, Fundo previa 4,2%; para 2007, estimativa de 4,4% se mantém.

Bruno Garcez, BBC

17 Outubro 2007 | 12h05

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a economia brasileira crescerá 4% em 2008. A cifra representa uma revisão para baixo de 0,2 ponto percentual, em relação à estimativa atualizada pelo Fundo em julho deste ano. O Fundo não alterou, porém, a sua projeção de crescimento de 4,4% para o Brasil neste ano. O índice é idêntico ao divulgado em abril. Os dados constam dos capítulos iniciais do relatório Panorama Econômico Mundial, lançado pelo FMI nesta quarta-feira. A estimativa de crescimento para a economia brasileira é uma das baixas entre os países latino-americanos, embora toda a região tenha tido suas projeções de crescimento revistas para baixo. De acordo com o FMI, o país fica aquém da Argentina (cuja projeção é de 7,5% para 2007 e 5,5%, em 2008), Chile (5,9% para 2007 e 5% para 2008), Colômbia (6,6% para 2007 e 4,8% para 2008), Peru (7% para 2007 e 6% para 2008) e Venezuela (8% para 2007 e 6% para 2008). Entre os latino-americanos, o Brasil supera apenas o Equador (2,7% para 2007 e 3,4% para 2008) e o México (2,9% para 2007 e 3% para 2008). A previsão do FMI para o crescimento do Uruguai neste ano, de 5,2%, também supera a do Brasil. Mas a estimativa do país para 2008 ficou um pouco abaixo da brasileira, em 3,8%. O Fundo estima um crescimento para a região compreendida pela América do Sul e o México de 4,9% para 2007 e de 4,2% para 2008. A perspectiva de crescimento para toda a região das Américas é de 5% em 2007 e de 4,3% em 2008 - uma redução em comparação com o crescimento registrado no continente americano em 2006, de 5,5%. Apesar do desempenho econômico algo tímido, a estimativa de inflação para o Brasil não está entre as mais elevadas da região. As projeções são de 3,6% para 2007 e 3,9% para 2008. Neste quesito, o Brasil é superado com folga pela Venezuela, cuja projeção é de 18% para 2007 e de 19% para 2008, e pela Argentina, para quem o Fundo estima uma taxa inflacionária de 9,5% e 12,6%. De acordo com o relatório do FMI, a possível redução do crescimento econômico da região se deve ao impacto da desaceleração econômica nos Estados Unidos e os efeitos que esta teve, em especial, sobre o México e os países da América Central. O texto afirma que o ''crescimento está ganhando fôlego no Brasil, em resposta a políticas monetárias mais flexíveis, após a inflação ter sido limitada às projeções do Banco Central, mas há expectativas de uma desaceleração em 2008''. O FMI comenta que a crise do setor imobiliário americano e a decorrente crise nos mercados financeiros mundiais tiveram um efeito relativamente limitado na América Latina. Mas acrescenta que um enfraquecimento ainda maior da economia dos Estados Unidos poderia reduzir a demanda por exportações latino-americanas. O FMI observa ainda que, em uma perspectiva de longo prazo, a atual expansão latino-americana é a mais longa desde os anos 60 e que o crescimento sustentável ajudou a reduzir as vulnerabilidades externas na região. O Fundo adverte, no entanto, que ''a região segue na parte de baixo na liga do crescimento mundial e que os governos deveriam tirar proveito das atuais condições para implementar reformas necessárias para possibilitar crescimento mais rápido em investimento e produtividade''. Entre os entraves a um melhor desempenho na região, segundo o FMI estão a ineficiência dos setores públicos, escassa infra-estrutura e elevadas desigualdades de renda. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
FMI perspectiva crescimento economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.