Reprodução/TV Record
Reprodução/TV Record

Flávio Bolsonaro diz que movimentações bancárias se referem à compra e venda de imóvel

Em entrevista à TV Record, deputado estadual e senador eleito deu sua versão para as transações apontadas pelo Coaf

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

20 de janeiro de 2019 | 22h46

SÃO PAULO - O senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou em entrevista à TV Record exibida neste domingo, 20, que as movimentações suspeitas identificadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em sua conta bancária se referem à compra e venda de um imóvel na zona sul do Rio. 

Trechos de um relatório do Coaf revelados na última semana pelo Jornal Nacional, da TV Globo, mostraram que Flávio Bolsonaro recebeu em sua conta pessoal 48 depósitos de R$ 2 mil feitos entre junho e julho de 2017 em um caixa eletrônico da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), totalizando R$ 96 mil. 

Uma outra reportagem mostrou que o filho do presidente Bolsonaro também pagou um título bancário da Caixa Econômica Federal no valor de R$ 1.016.839. Neste caso, porém, o Coaf não conseguiu identificar o favorecido pelo pagamento feito pelo senador eleito. Também não há data e nenhum outro detalhe da transação.

À TV Record, Flávio afirmou que o título de R$ 1 milhão da Caixa se refere à compra de um imóvel na planta da construtora PDG, que passou a ser financiado pelo banco após a entrega do Habite-se. A compra ocorreu em 2017 e o valor do apartamento é um pouco superior a R$1 milhão, segundo ele.

"É um apartamento que comprei na planta. E quando você compra apartamento na planta o financiamento fica com a construtora. Quando saiu o Habite-se, é quando a Caixa pode fazer o financiamento. O que você faz? Você busca a Caixa, que tem juros menor. A Caixa vai, paga a sua dívida com a construtora, eu deixo de ser devedor da construtora e passo a ser devedor da Caixa. Então, quem fez essa operação (pagou R$ 1 milhão) foi a Caixa Econômica, não foi dinheiro meu", afirmou.

Já a explicação para os 48 depósitos de R$ 2 mil em sua conta envolvem a venda do mesmo imóvel. Segundo o senador eleito, como a entrega do apartamento atrasou ele decidiu vendê-lo em seguida pelo valor de R$ 2,4 milhões. Flávio Bolsonaro afirma que parte do pagamento foi feita em "cash" e ele, então, depositou o dinheiro na sua própria conta. 

"Por que aparece dessa forma (no Coaf)? Porque esse dinheiro, que é dinheiro meu, era depositado na minha própria conta. Tem que ser de dois em dois mil reais porque o limite para você fazer o depósito no caixa eletrônico naquele papelzinho são R$ 2 mil. Foi feito dessa forma, não tem mistério nenhum. Está tudo declarado, justificado no papel. Declarado ao Fisco, na escritura. Se fosse algo ilícito você acha que ia colocar na minha conta", afirmou o senador eleito.

Sobre o fato de os depósitos terem sido feitos no caixa eletrônico dentro da Alerj, o que levantou suspeita sobre possível retenção de parte do salário dos assessores de gabinete, Flávio respondeu: "É lógico, é meu trabalho. É a agência bancária que todo mundo da Assembleia vai ali para fazer suas operações, seus depósitos, pagamentos de conta, saques no caixa. É embaixo do plenário, não tem mistério".

Investigação. Os dados do Coaf integram uma investigação do Ministério Público do Rio sobre a suspeita de prática de lavagem de dinheiro ou “ocultação de bens, direitos e valores” no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj, iniciada há seis meses. Entre os alvos está o ex-assessor Fabrício Queiroz, que movimentou R$ 1,2 milhão em transações suspeitas entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, como revelou o Estado em dezembro.

Neste domingo, o jornal O Globo mostrou que um relatório do Coaf apontou que as movimentações financeiras nas contas de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Alerj, atingiram R$ 7 milhões entre os anos de 2014 e 2017.

À TV Record, Flávio disse que Queiroz apresentou uma "explicação plausível" logo após a divulgação dos dados e que espera que seu ex-assessor esclareça logo o assunto às autoridades. 

"O meu ex-assessor faz ou deixa de fazer é responsabilidade dele. Eu não tenho como saber o que aconteceu. A imprensa às vezes coloca de um jeito. Antes o vazamento do sigilo dele era de um ano. Ele movimentou R$ 1 ,2 milhão. Aí você vai ver, não foi R$ 1,2 milhão. Foram R$ 600 mil que entraram e R$ 600 mil que saíram. E quando ele me diz, lá no começo, quando fui questioná-lo que dinheiro era esse, ele me deu uma explicação plausível. Ele me disse que parte desse dinheiro era dele, que como policial ele recebia, como assessor da Assembleia ele recebia. E a família depositava na conta dele. Só isso aí já dá 80% da movimentação desses R$ 600 mil. O outro ele me disse, 'chefe, explico facilmente, não tem nada de ilegal nisso'", afirmou Flávio.  

Segundo reportagem da TV Globo, após análise do relatório de inteligência financeira (RIF) das movimentações bancárias de Queiroz, o MP do Rio pediu o novo relatório ao Coaf sobre as contas de Flávio Bolsonaro em 14 de dezembro e foi atendido no dia 17, um dia antes do deputado estadual ser diplomado senador. Portanto, segundo o MP, ele não tinha foro privilegiado na ocasião.

Após saber da existência desse relatório sobre sua movimentação financeira, Flávio Bolsonaro pediu a suspensão da investigação ao Supremo Tribunal Federal (STF), alegando que o MP do Rio não tinha competência para investigá-lo porque ele já tinha prerrogativa de foro com a diplomação como senador. O pedido foi atendido pelo ministro Luiz Fux. Agora, cabe ao ministro Marco Aurélio Mello, relator do processo no Supremo, analisar o caso depois que o tribunal retomar as suas atividades, em 1.º de fevereiro.

Na entrevista exibida neste domingo, Flávio Bolsonaro disse que não acionou o STF querendo foro privilegiado, mas apenas saber de quem é a competência para investigar o caso.

"Não pedi foro privilegiado ao STF. O que fiz foi uma reclamação, que é o remédio jurídico correto, para perguntar ao Supremo Tribunal Federal, obedecendo a uma decisão do próprio STF, que lá atrás decidiu sobre o foro e tem uma vírgula que diz assim: caso a caso o Supremo Tribunal Federal dirá qual é o foro competente. Se é o Rio de Janeiro, o MP do Rio, ou se é Brasília, o MP Federal. Então, a decisão que o Supremo vai tomar é para onde é que tenho que prestar os esclarecimentos", afirmou Fávio Bolsonaro. "Não tenho nada para esconder de ninguém. Tem origem. Não tem origem ilícita", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.