Fiscalização encontra trabalhadores em regime escravo no Maranhão

Dezenove trabalhadores foram encontrados trabalhando em uma fazenda, localizada a 600 quilômetros de São Luiz (MA), em condições análogas a de escravos, informou nesta quinta-feira o Ministério do Trabalho e Emprego. Fiscais da Delegacia Regional do Trabalho (DRT) no Maranhão, que resgataram os trabalhadores, relataram que eles eram aliciados em municípios do próprio estado e não recebiam salários há cerca de três meses. A operação da fiscalização ocorreu no último dia 19, mas somente nesta quinta-feira foi divulgada.Os trabalhadores, retirados fazenda Nova Esperança, em Rio dos Bois, no município de Bom Jardim, receberão seguro-desemprego durante três meses, no valor de R$ 350 cada parcela, e foram inscritos no Programa Bolsa Família. Segundo o Ministério, o proprietário teve que arcar com R$ 18 mil em indenizações.No local, de acordo com o relato dos fiscais, foram encontrados dois menores de 17 anos e uma criança de apenas três anos de idade, acompanhada dos pais. Os empregados estavam divididos em três grupos. Parte deles encontrava-se alojada em um curral dividindo o espaço com vacas, bois, cavalos e outros animais. Outro alojamento foi construído no matagal onde havia um trabalhador que vivia isolado dos demais, num barraco de palha coberto com lona preta e sem proteção lateral. As condições de trabalho oferecidas aos trabalhadores foram consideradas péssimas pelos auditores fiscais. Não havia água potável, a alimentação era precária, sem condição de higiene, e não tinham Equipamento de Proteção Individual (EPI).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.