Filme sobre busca por Bin Laden provoca protestos na Índia e no congresso americano

A diretora Kathryn Bigelow, primeira mulher a vencer um Oscar de Melhor Direção, por “Guerra ao terror”, em 2010, prepara para o final de 2012 o lançamento de um filme sobre a busca pelo terrorista Osama bin Laden. O longa será produzido por Bigelow e Mark Boal, e terá como atores principais Jessica Chastain, Joel Edgerton e Mark Strong. Apesar de retratar um fato histórico ocorrido no Paquistão, as filmagens ocorrem desde março na Índia porque a equipe não foi autorizada a trabalhar no país em que Bin Laden foi encontrado e morto em 2011.

Por Paula Carvalho, do estadão.com.br,

01 Maio 2012 | 16h53

Em Chandigarh, cidade a cerca de 240 quilômetros da capital, Nova Délhi, a chegada da produção provocou alvoroço. Índia e Paquistão são inimigos e a presença de rickshaws – carros típicos do sudeste da Ásia – com placas da cidade paquistanesa de Lahore, na fronteira com a Índia, e sinalizações de trânsito alteradas, reescritos em Urdu (idioma falado no Paquistão) não foram bem vistos pelos locais.

Além disso, mulheres vistas andando nas ruas com burcas e homens com trajes tradicionais do Paquistão provocaram revolta entre os hindus direitistas. O grupo radical hindu Vishva Hindu Parishad tentou interromper as filmagens. O líder do grupo, Vijay Bhardwaj, declarou: “Somos totalmente contra isso. Não vamos deixá-los colocar bandeiras paquistanesas aqui e não vamos deixá-los filmar.” Ele se queixava de que o governo não deveria ter permitido as filmagens.

Propaganda. O filme “Zero Dark Thirty” (ainda sem tradução em português) deverá ser lançado no dia 19 de dezembro. A produção já gerou reclamações no Congresso americano. O republicano Peter King acusou o governo Obama de fornecer informações privilegiadas para a produção do filme. Segundo King, isso teria sido feito em troca de uma produção que ficasse pronta antes das eleições americanas, agendadas para novembro.

A morte do terrorista mais procurado do mundo seria retratada no filme como um aspecto positivo do governo de Obama, e funcionaria como propaganda a tempo de angariar votos. Por conta da polêmica, contudo, o filme teve a sua estreia adiada para poucos dias após as eleições.

Em janeiro, o jornal New York Times revelou que o Serviço Secreto americano iniciou uma investigação para identificar se Bigelow e Boal tinham recebido dados secretos do governo americano. “As investigações dificilmente afetarão o resultado do filme”, diz a reportagem. Bigelow nega as acusações: “Nosso projeto de filmar a busca de quase uma década por Bin Laden já existe por muitos anos. Ele integra trabalhos dos presidentes Clinton, Bush e Obama, além de estratégias do Serviço Secreto”. Segundo ela, “a morte de Bin Laden foi um triunfo não-partidário, e não há como retratar esta enorme vitória de um jeito que não seja heróico”, justificou.

Para entender. Nova Délhi e Islamabad já protagonizaram três guerras na disputa pelo controle da região da Caxemira. Depois de independentes da Coroa britânica em 1947, Índia (que tem maioria hindu) e Paquistão (de maioria muçulmana), iniciaram o conflito pela região montanhosa de maioria islâmica. O embate ganhou mais atenção da comunidade internacional quando, em 1998, ambos anunciaram o desenvolvimento de armas atômicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.