Filippelli nega participação em suposto esquema de propina

Deputado e presidente do PMDB no DF diz que inclusão do seu nome se deve a 'interesses inconfessáveis'

estadao.com.br,

03 de dezembro de 2009 | 16h28

O deputado e presidente do PMDB no Distrito Federal, Tadeu Filippelli, afirmou nesta quinta-feira, 3, por meio de nota que a inclusão do seu nome entre os beneficiários do suposto esquema de propina que seria coordenado pelo governador José Roberto Arruda (DEM) se deve a "interesses inconfessáveis" de quem quer forçar o seu partido a tomar uma decisão apressada sobre a crise política na capital federal.

 

Veja também:

linkDF contratou Uni Repro com ata de preços de Kassab

linkEmpresário deve depor em SP

linkDEM quer livrar vice para ter plano B na disputa de 2010

linkLula 'ressuscita' Constituinte para reforma política

link'Eu não farei um juízo amoral'

linkNo PSDB, aumenta pressão por 'chapa puro-sangue'  

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

blog  JOÃO BOSCO acompanhe o caso; veja vídeos, oração da propina e mais 

especial Entenda as acusações contra o governador do Distrito Federal

documento Leia o inquérito da Operação Caixa de Pandora

 

"Pressionam para que retiremos imediatamente da composição do governo os quadros técnicos que pertencem ao PMDB e que ocupam funções estratégicas no governo do Distrito Federal", disse Filippelli. Ele acrescentou que a decisão sobre um possível afastamento do partido do governo Arruda deve tomada "com serenidade". A reunião do partido está marcada para segunda-feira, 7.

 

Na nota, o presidente do diretório regional diz ainda que o PMDB ocupa funções estratégicas no GDF, como as dos responsáveis por projetos estruturantes, entre os quais a preparação de Brasília para receber a Copa do Mundo de 2014 e a comemoração dos 50 anos da capital federal.

 

Filippelli afirmou também que já pediu a seus advogados para que tomem "as medidas cabíveis" para reparar prejuízos causados a ele pelas "falsas acusações".

 

Em um dos vídeos gravados pelo ex-secretário de Relações Institucionais do DF Durval Barbosa, o empresário Alcyr Collaço afirma que Tadeu Filippelli, além do presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), do líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), e do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), receberia dinheiro do esquema supostamente coordenado por Arruda.

 

Com informações da Agência Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.