RAFAEL CARVALHO/GOVERNO DE TRANSIÇÃO
RAFAEL CARVALHO/GOVERNO DE TRANSIÇÃO

Filhos de Bolsonaro criticam aprovação da PL das fake news no Senado

Nas redes sociais, Flávio, Eduardo e Carlos dizem que projeto é censura e fere garantias individuais

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2020 | 08h53

Filhos do presidente da República, Flávio, Eduardo e Carlos Bolsonaro usaram as redes sociais para criticar a aprovação do Projeto de Lei 2630, conhecido como a PL das fake news, no Senado Federal. Entre as críticas, os parlamentares da família Bolsonaro acusaram o projeto de se tratar de uma tentativa de censura e de ferir a garantias individuais dos cidadãos.

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que participou da votação nessa terça-feira, 30 - votando contra - chamou o projeto de "PL da Censura". Flávio também afirmou que o projeto é inconstitucional.

"O PL da Censura é inconstitucional, atropela garantias individuais. E tem vício insanável: quem decide o que é Fake News? Postar que é contra cotas raciais e a favor das sociais, é racismo? Pastor defender que família é homem e mulher, é preconceito? #PL2630Nao #CalaaBocaNaoMorreu", escreveu o senador.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se referiu ao PL como "Lei da Censura". O parlamentar, que deve participar da votação do projeto na Câmara, adiantou que votará contra a aprovação da matéria. "Já adianto meu voto: sou totalmente contrário a toda tentativa de “regulamentar” (CENSURAR) as redes sociais. Rejeito qualquer ato que retire liberdade do cidadão e lutarei contra isso", publicou.

Eduardo também afirmou que o PL não vai minar as críticas ou "cegará as tias do zap". "Quem acha q aprovar o PL da censura 2630 fará com que cessem as críticas ou cegará as tias do zap está enganado. Uma criação espontânea silenciada sempre é sucedida por outra criação espontânea. Os esforços de vocês será em vão. Derrotaremos vcs e lembramos disso na eleição."

Por sua vez, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) afirmou que o projeto não se trata de uma tentativa de combate às fake news. Para o vereador, o projeto ataca a liberdade e o "raciocínio sem cabresto".

"Nunca se tratou da palavrinha politicamente correta: "fakenews". O problema sempre foi o crescimento do raciocínio sem cabresto, o que não ocorre quando existe o conluio da mídia com os engravatados, usando o seu dinheiro. Pedantes Ególatras, aqui jamais será uma Coreia do Norte", disse.

"Não éramos um país livre e que parece que estamos perdendo a liberdade. Desde que me lembro, nunca fomos um país livre. Fazemos parte de uma nação que começou a tentar sair do buraco há pouco e todos temos muito para desfazer diante de décadas de tesouradas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.