Filho do governador de RR invade pista e impede pouso de avião

O filho do governador Neudo Campos (PPB), Guilherme Campos, foi preso pela Polícia Federal de Boa Vista na madrugada de hoje, com mais 10 pessoas. O grupo impediu que o avião da Varig, que faz a linha Rio/Brasília/Manaus/Boa Vista, aterrissasse no horário normal. Guilherme e seus amigos foram para a cabeceira da pista colocando em risco a aeronave. O piloto, ao perceber que havia gente na pista, arremeteu. Segundo informaram os agentes da Federal, Guilherme deveria viajar para Miami (EUA), onde estuda. No entanto, ele e seus amigos estariam tomando cerveja em um bar ao lado do aeroporto, quando decidiram impedir o pouso. Foram para o aeroporto e passaram pela segurança sem problemas.A segurança deteve o grupo, encaminhado para a superintendência da PF, onde os jovens foram autuados pelo delegado Nelson Pires. No grupo há três mulheres, uma menor de idade, e um rapaz de 17. Os dois foram encaminhados ao Juizado da Infância e Juventude, enquanto que os demais pagaram fiança de R$ 90,00 cada e foram liberados. Eles responderão a processo e estão sujeitos a pena que varia de dois a cinco anos de reclusão caso venham a ser condenados.O governador Neudo Campos não falou sobre o assunto. Mas divulgou uma nota oficial na qual afirma estar surpreso com a atitude do filho."É um jovem estudioso, razão que sempre me fez sentir muito orgulho e este acontecimento me deixou surpreso e decepcionado como qualquer pai que estivesse em meu lugar", diz a nota. Ele reconhece o erro e disse não aprovar a infração, "apesar de amá-lo". O governador nega que diversos secretários de Estado tenham tido contatos com o delegado para tentar liberar Guilherme. Ele afirmou que não autorizou "ninguém do governo ou a qualquer autoridade o envolvimento ou participação nesse caso".Ele pediu imparcialidade da imprensa "para que esse fato não tenha uma conotação política, já que se trata de um problema pessoal" e está trazendo um grande constrangimento. "Ao povo de Roraima peço desculpas e aos pais de Roraima a compreensão", encerra a nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.