Filho de Lula se diz perseguido e vai ao TSE

Dizendo-se perseguido politicamente pelo fato de ser filho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Marcos Lula da Silva anunciou ontem que vai recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tentar reverter decisão do TRE-SP, que indeferiu o pedido de registro de sua candidaturta a vereador em São Bernardo do Campo, pelo PT.Psicólogo e empresário, Marcos Lula é filho do primeiro casamento de Marisa Letícia, mas foi adotado pelo presidente. Sua candidatura foi negada porque a Constituição considera inelegíveis parentes até 2º grau de prefeitos, governadores e presidente da República.Ao justificar o que chama de perseguição, Marcos Lula afirmou: "Não estou fazendo nada fora da lei, mas acham que serei beneficiado por ser filho do presidente, isso porque ele tem uma grande aprovação popular, mas, se ele não estivesse tão bem, certamente nem colocariam esse obstáculo". Apesar desse entendimento, ele fez questão de frisar: "Continuo acreditando muito na Justiça". A decisão de recorrer ao TSE foi anunciada em coletiva no Restaurante São Judas Tadeu Demarchi, ao lado de seu advogado, Humberto Rocha, do presidente do PT na cidade, Vanderlei Salatiel, e do coordenador-geral de sua campanha, Alois Dohnal, também assessor do deputado Frank Aguiar (PTB), candidato a vice-prefeito na chapa do ex-ministro Luiz Marinho (PT).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.