Filho de Gregório Bezerra ainda espera indenização

Jurandir é único sobrevivente da família de líder comunista e pode ir à Justiça

Moacir Assunção, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

11 de abril de 2009 | 00h00

A família de Gregório Bezerra (1900-1982), líder comunista e ex-deputado federal pelo PCB, jamais recebeu qualquer reparação econômica da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, ao contrário de contemporâneos famosos como Luiz Carlos Prestes - com quem dividiu cela no Presídio Frei Caneca -, Miguel Arraes, Carlos Lamarca e Carlos Marighella. Em novembro de 2007, a família conseguiu que ele recebesse da comissão o título de anistiado político, mas sem direito a indenização. O único filho vivo de Bezerra, Jurandir, também perseguido político no regime militar, vive em um conjunto habitacional, na Grande Recife, com o salário de servidor aposentado da prefeitura da capital pernambucana. "Não digo quanto ganho para não ofender sua sensibilidade", brincou. Jurandir prepara-se para recorrer à comissão pedindo indenização. Se não for atendido, entrará na Justiça.O presidente da comissão, Paulo Abrão, disse que o pedido de reparação não foi atendido porque a Lei 10.559 veda o pagamento a sucessores, a não ser que sejam dependentes do perseguido político. "Infelizmente, nem o Gregório, que tinha todo o direito de ser ressarcido pelo que sofreu, nem sua viúva fizeram o pedido. Quanto ao recurso, a família perdeu o prazo." Mesmo assim, afirmou que vai esperar o recurso para analisá-lo.AGRESSÃOPersonagem da chamada Intentona Comunista de 1935, quando, como sargento do Exército, sublevou-se em apoio a Prestes, Bezerra foi um dos mais conhecidos líderes comunistas brasileiros.Em 1964, foi preso novamente ao apoiar o então governador Miguel Arraes (1916-2005), derrubado pelos militares em 1964 e anistiado na semana passada. Depois do golpe, fugiu para Pernambuco. Acabou preso e foi levado para um quartel, onde teve os pés queimados por uma solução ácida. A seguir, o coronel do Exército Darcy Ursmar Villocq Viana amarrou uma corda em seu pescoço e o agrediu em plena Rua 17 de Agosto. Só de calção, Bezerra, já sexagenário, levou golpes de barra de ferro, socos e pontapés dos soldados.Em entrevista ao Estado em 1979, o oficial admitiu ter agredido, mas não torturado Bezerra. O líder político só foi libertado em 1969, com outros 14 presos políticos, ao ser trocado pelo embaixador dos Estados Unidos, Charles Burke Elbrick, sequestrado por guerrilheiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.