Filho de Erenice cobrou 5% de empréstimo no BNDES, diz empresário

'Foi a maior patifaria o que fizeram. Fizeram terrorismo', disse o empresário Rubnei Quicoli

Leandro Colon, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2010 | 11h53

O empresário Rubnei Quicoli afirmou ao Estado nesta quinta-feira que a Casa Civil é palco de lobby e que a empresa do filho da ministra Erenice Guerra cobrou 5% da ERDB do Brasil Ltda. para conseguir um financiamento de R$ 9 bilhões junto ao BNDES. "Foi a maior patifaria o que fizeram. Fizeram terrorismo", disse. A própria ministra, segundo ele, participou de uma reunião no ano passado. O empresário enviou os documentos ao Estado.

 

Segundo Quicoli, em meio às negociações com os intermediários em Brasília, foi pedido ainda o valor de R$ 5 milhões para ajudar na campanha da presidencial de Dilma Rousseff (PT). "Eu disse que não podia por tudo junto numa mala. E que precisava de nota fiscal de uma empresa como prestadora de serviço", afirmou. O pedido de dinheiro para a campanha, de acordo com Quicoli, foi feito pelo ex-diretor de Operações dos Correios Marco Antonio de Oliveira.

 

A intermediação do filho de Erenice nesse episódio foi revelada pelo jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira. O empresário Rubnei Quicoli contou ao Estado que a EDRB do Brasil Ltda buscava um empréstimo junto ao BNDES para viabilizar um projeto de energia solar que estava parado desde 2002. Consultor da EDRB, Quicoli disse que a Casa Civil deu a orientação para procurarem a Capital Assessoria, empresa em nome de Saulo Guerra, filho de Erenice, mas que é comandada por outro filho da ministra, Israel. Foi feita então a minuta de um contrato, no valor de R$ 240 mil, mais o percentual de 5% sobre os R$ 9 bilhões.

 

De acordo com o empresário, a própria Erenice participou de uma reunião na Casa Civil com os representantes da EDRB em novembro do ano passado. A reunião, segundo ele, foi agendada por Vinicius Castro, ex-assessor da Casa Civil e cuja mãe é sócia da Capital Assessoria. Vinicius pediu demissão no início da semana.

 

Segundo Rubnei Quicoli, as negociações com a empresa de Israel Guerra foram desfeitas em março sem que o empréstimo do BNDES tivesse sido concedido. Na edição desta semana, a revista Veja mostrou que a Capital Assessoria atuou também no ramo de transporte de carga aérea.

 

E-mail mostra agendamento de reunião com Erenice Guerra

 

"From: glauciene@planalto.gov.br

To: rubnei_quicoli@hotmail.com

CC: vinicius.castro@planalto.gov.br

Subject: Reunião com a Dra. Erenice Guerra - Energia Alternativa

Date: Fri, 6 Nov 2009 17:06:22 -0200

 

Boa tarde,

 

Conforme combinamos, segue os dados da reunião com a Dra. Erenice Guerra - Secretária Executiva da Casa Civil, informei que seria na segunda-ferira às 15h, porém a Doutora pediu para remarcar para terça-feira, dia 10/11 às 17h.

 

O Vinícius Oliveira - Assessor da Secretária, informou que o conteúdo do CD que está com ele é muito extenso e que é necessário uma apresentação mais sucinta para mostrar à Ministra Dilma.

 

A audiência terá duração de 30 minutos, é necessário enviar email informando os nomes dos participantes. A reunião será realizada no CCBB - Centro Cultural do Banco do Brasil, SCES Trecho 02 -Lote 22, Edifício Tancredo Neves, Entrada 03, 1º Andar - Sala 107.

 

Atenciosamente,

 

Glauciene F. Leitão

 

SE - CASA CIVIL

 

E-mail: glauciene@planalto.gov.br" 

Tudo o que sabemos sobre:
Erenice GuerraCasa CivilDilmaLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.