FÁBIO MOTTA/ESTADÃO
FÁBIO MOTTA/ESTADÃO

Filho de Cabral vai receber benefício educacional da Alerj

Concessão da bolsa no valor de R$ 1.136,53 foi autorizada pela presidência da Assembleia fluminense, onde Susana Neves Cabral, ex-mulher do ex-governador, trabalha

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 23h35

RIO - Funcionária da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Susana Neves Cabral, ex-mulher do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), receberá um salário mínimo – R$ 1.136,53 – a título de “bolsa reforço escolar”. O benefício é pago a quem trabalha na Casa e tem filhos solteiros cursando escola ou faculdade. A decisão, da presidência da Alerj, foi publicada nesta quinta-feira, 31, no Diário Oficial do Legislativo. Segundo a força-tarefa da Lava Jato no Rio, ela se beneficiou do esquema de corrupção de Cabral no governo do Rio, e recebeu R$ 883.045 em dinheiro desviado.

Susana tem três filhos com Cabral, com quem foi casada por 15 anos: João Pedro, Marco Antônio (deputado federal pelo PMDB) e José Eduardo. Só pelo caçula, que ainda não tem 24 anos, idade máxima para a concessão do benefício, teria direito à bolsa. A reportagem procurou a defesa de Susana, que respondeu que ela não se pronunciaria a respeito.

A Alerj concede desde 2015 a bolsa “aos servidores efetivos (ativos e inativos) e aos que exerçam cargo em comissão ou função gratificada que comprovadamente mantenham filhos solteiros sob sua dependência econômica, ou dependentes solteiros de que tenham a guarda legal definitiva, matriculados em estabelecimento privado ou público de educação escolar, compreendendo desde a educação infantil até a superior, conforme definição da Lei nº 9.394/1996, até a idade limite de 24 anos”. Para fazer jus ao benefício, o dependente não pode exercer atividade remunerada, e precisa ter matrícula em instituição de ensino comprovada. De 1995 a 2002, Cabral foi presidente da Alerj.

Susana foi nomeada em agosto do ano passado assessora do então presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), hoje licenciado para tratamento de saúde. Pelo cargo de chefe de gabinete, recebia, à época, R$ 13.651,48 líquidos. Quando a notícia do nepotismo cruzado veio à tona, durante as investigações da Lava Jato, ela era considerada funcionária-fantasma: ganhava salário sem trabalhar no gabinete.

À ex-mulher de Cabral foram feitos, segundo a Lava Jato, pelo menos 13 repasses de dinheiro. Isso ocorreu entre 2014 (quando Cabral deixou o governo, em favor de seu vice, o atual governador, Luiz Fernando Pezão, também do PMDB), e 2016. No ano passado, o ex-governador foi preso (em novembro), acusado de comandar uma suposta organização criminosa que movimentou, desde 2007, por volta de R$ 1 bilhão.

Nas planilhas de gastos de Cabral, ela aparecia como “Susi”. Cabral pagava gastos de cartão de crédito da ex-mulher e seguro de seu carro, entre outras contas. Susana recebia os valores em dinheiro vivo, de emissários do ex-marido, segundo denúncia do Ministério Público Federal. Ela nega irregularidades.

Alerj. Por nota, a Assembleia Legislativa do Rio afirmou que a bolsa “foi concedida no tempo normal”, depois que ela deu entrada no pedido. “O filho cumpre os requisitos de idade e está matriculado no curso superior, conforme determina a resolução 9/2015, que regulamenta a concessão deste benefício aos funcionários da Alerj”, afirmou a Casa no texto. “O valor, equivalente à faixa 1 do piso regional em vigor e fixo para todos os funcionários que tenham direito, será incluído no próximo pagamento, referente ao mês de agosto.  Susana Neves trabalha no gabinete da presidência do prédio administrativo da Alerj, na rua da Alfândega.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.