Filho de ACM promete seguir a linha do pai

O empresário Antônio Carlos Magalhães Júnior, filho e suplente do senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), disse que está preparado para assumir a cadeira do pai, caso ACM realmente venha a renunciar na próxima quarta-feira. Magalhães Júnior acha que não é agradável ter que substituir o pai por conta das circunstâncias que cercaram o desfecho do caso de violação do painel eletrônico. "Mas tenho que encarar de uma forma bem objetiva e pragmática. Tudo o que faço gosto de fazer bem", disse o empresário, que, caso substitua ACM no Senado, vai se afastar da Rede Bahia, formada por 22 empresas da área de comunicação e construção civil.Cauteloso, Magalhães Júnior disse que vai seguir a mesma linha adotada pelo pai, no sentido de defender o governo no que considerar certo e criticar os erros. Ele criticou a condução da votação do Conselho de Ética, que aprovou a recomendação da cassação do mandato de ACM. O empresário, que acompanhou tudo pela TV, disse que houve um linchamento e um prejulgamento, e que os senadores Ramez Tebet (PMDB-MS) e Roberto Saturnino (PSB-RJ), presidente e relator do conselho, agiram de forma premeditada para levar àquele resultado. Antônio Carlos Magalhães Júnior disse ainda que ficou surpreso com o comportamento do senador Amir Lando, que formulou o seu voto criticando a antecipação da pena no Conselho de Ética, mas votou pelo relatório. "Foi medo das câmeras", afirmou o empresário. Sempre falando de forma hipotética, Antônio Carlos Magalhães Júnior disse que estará com "altivez e determinação" no novo cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.