Filha sequestrada ao nascer se reencontra com a mãe

Vinte e quatro anos depois de ter a filha recém-nascida seqüestrada numa maternidade de Goiânia, a dona de casa Francisca Maria da Silva finalmente pôde abraçar e beijar a filha Aparecida Fernanda - batizada Roberta Jamilly pela mãe adotiva Vilma Martins Borges. "Foi uma surpresa. Depois de 24 anos pude abraçar minha filha", afirmou a mãe biológica. A iniciativa de reencontrar a mãe partiu de Roberta, um dia depois que a polícia divulgou o teste de DNA realizado na ponta de um cigarro provando que ela era a filha de Aparecida. Durante cerca de uma hora, mãe e filha trocaram carinhos em um encontro que Roberta classificou de "muito emocionante". Na saída, Roberta disse que estava confusa e não sabia que era filha adotiva de Vilma, muito menos desconfiava que pudesse ser a menina que foi seqüestrada da maternidade em dezembro de 1979, quando tinha apenas dois dias. "Foi bom o encontro, tranqüilo", afirmou Roberta. "Nada muda na minha vida, vou continuar do mesmo jeito."Francisca da Silva ficou radiante com a visita. "Ela é quase igual a mim", disse a mãe. "Hoje eu não vou chorar. Vou ficar só rindo." Ela contou que a filha a convidou para almoçar nesta sexta-feira na casa de Vilma Martins, mas Francisca recusou o convite. "Eu até converso com ela, mas antes preciso saber porque ela fez isso com minha família. Tive muita raiva dessa mulher ter tirado a minha filha de mim", afirmou.O empresário Jamal Rassi, que durante 24 anos foi apontado por Vilma como o pai biológico de Roberta, decidiu processar Vilma e vai pedir uma indenização por danos morais. "Essa mulher trouxe desgraça a três famílias - à de Jamal, à de Francisca e à de Pedrinho - e ela deve pagar por suas atrocidades", disse a advogada de Jamal, Darlene Oliveira. "Já que os crimes de seqüestros foram prescritos, que pelo menos ela pague civilmente por seus atos." Um oficial de Justiça esteve na casa de Vilma para intimá-la no processo de negação de paternidade, mas ele não conseguiu falar com ela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.