Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Filha de Cunha procura deputados para pedir votos contra cassação do pai

Dona de uma empresa e marketing político, Danielle Dytz Cunha tem se encontrado com parlamentares mais jovens, de quem é amiga, para dizer que o peemedebista é alvo de injustiça

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2016 | 16h03

BRASÍLIA - Familiares do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) também entraram em campo para pedir votos contra a cassação do peemedebista. Danielle Dytz Cunha, uma das filhas dele, tem procurado deputados para pedir que votem a favor do pai na segunda-feira, 12, quando está marcada a votação final do processo. 

Danielle está procurando principalmente deputados mais jovens e de primeiro mandato, de quem é amiga. De acordo com um dos parlamentares, a filha do deputado afastado o procurou pessoalmente nos últimos dias para pedir que ele se ausente da votação ou que compareça e vote contra a cassação. Ela afirmou que Cunha tem sido alvo de uma injustiça e repetiu o discurso do peemedebista de que a cassação vai acabar com a vida dele e da família. Possíveis ausências e abstenções contam a favor de Cunha.

A filha de Cunha é dona de uma empresa de marketing político, que oferece serviço de assessoria e divulgação de mandatos. Quando o pai se tornou presidente da Câmara, a partir de janeiro de 2015, ela aproveitou a influência do pai para conquistar várias contas de deputados, o que a tornou próxima de muitos parlamentares.

Assim como o pai, Danielle é investigada pela Operação Lava Jato, sob a suspeita de ser beneficiária de uma das contas no exterior cuja titularidade é atribuída à jornalista Cláudia Cruz, sua madrasta e mulher de Cunha. Como não têm foro privilegiado, as duas são investigadas pelo juiz Sérgio Moro, que conduz a Lava Jato na primeira instância. 

Procurada para comentar o assunto, Danielle não atendeu às ligações nem respondeu mensagens via WhatsApp. A assessoria de Cunha também não se pronunciou. Mesmo após o pai renunciar à presidência da Câmara, em julho deste ano, ela continua sendo vista circulando pelos corredores da Casa. 

Cunha também tem procurado deputados para pedir votos a seu favor. Nos últimos dias, além de mandar mensagens pelo WhatsApp, ligou para alguns parlamentares. O alvo são parlamentares do PMDB e Centrão - grupo de partidos liderados por PP, PSD, PR e PTB e que foram a base de sustentação do peemedebista na Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.