AO VIVO

Eleições: 2020: notícias, resultados e apuração do 2° turno

Imagem Vera Magalhães
Colunista
Vera Magalhães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Fila precisa andar

No governo, sabe-se que o conteúdo completo das delações causará um abalo sísmico sem precedentes

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2017 | 05h00

Ministério Público, a defesa da Odebrecht e o governo Michel Temer nutrem a mesma expectativa: que a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, homologue até amanhã as 77 delações de pessoas ligadas à empreiteira.

No âmbito da Lava Jato, a pressa de Rodrigo Janot se justifica por dois motivos: a necessidade de desencadear novas fases da investigação com a divulgação de todo o conteúdo da explosiva delação e liberar procuradores que atuam full time nos depoimentos para as próximas missões — entre as quais a primeira deve ser a retomada da delação de Leo Pinheiro, da OAS.

No governo, sabe-se que o conteúdo completo das delações causará um abalo sísmico sem precedentes na política, e a avaliação é que quanto antes se souber sua extensão menos danos ele causará ao andamento das ações do Executivo no Congresso.

Por fim, a conclusão da leniência da empreiteira está pendente. Só após definidas as penas na esfera criminal a Odebrecht poderá tentar voltar a se habilitar para participar de concorrências e obras no Brasil — o que não será simples nem imediato. 

Além disso, a homologação é vista como uma chance de a empresa enfrentar a avalanche de contestações internacionais resultante da divulgação do relatório do Departamento de Justiça dos Estados Unidos sobre pagamento de propina em vários países. 

O documento foi o maior baque recente no processo de recuperação da imagem da empresa, iniciado desde que houve a decisão de fazer a colaboração judicial.

ODEBRECHT

Delação de Benedicto é tão letal quanto a de Marcelo

Análises do potencial de dano das delações da Odebrecht convergem para o mesmo ponto: a de Benedicto Júnior, ex-presidente da construtora, não aniquila de vez só o PMDB do Rio, levando o governador Luiz Pezão ao encontro de seu criador, Sérgio Cabral. Ela vai arrastar de roldão governadores de vários Estados e múltiplos partidos. Era ele que “cuidava” das obras estaduais. Já Marcelo Odebrecht se concentrou na “cúpula” da política nacional: Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer puxam o bloco.

X DA QUESTÃO

Eike se queixava de ter virado ‘bombeiro’ de Cabral

Alvejado pela operação Eficiência graças ao pagamento de propina para Sérgio Cabral e seu grupo, Eike Batista se queixava a amigos da avidez com que era demandado pelo peemedebista. “Virei uma espécie de bombeiro do Cabral, qualquer incêndio ele me chama para apagar”, disse o empresário a um interlocutor ainda nos tempos das vacas gordas do Grupo X.

STF 1

Cármen Lúcia faz chegar a Temer simpatia por Grace 

Discretamente, a presidente do Supremo fez chegar a Temer sua simpatia pela indicação de Grace Mendonça (f0to) para a vaga de Teori Zavascki. Amigos de Cármen Lúcia procuraram o presidente para destacar o trânsito da advogada-geral da União na corte e os elogios da ministra a sua “capacidade técnica”. O lobby “à mineira” foi lido no Planalto como resistência a Ives Gandra Filho.

STF 2

Campanha tira pontos de Gandra na busca por vaga

Antes o preferido de Temer para o STF, Gandra Filho “voltou algumas casas” no tabuleiro graças à campanha de setores organizados da sociedade contra ele. Auxiliares do presidente destacam como trunfos do presidente do TST não ter máculas éticas e ser “progressista” em matéria trabalhista, mas afirmam que Temer tem dificuldade em indicar um nome que seja visto como uma “afronta” às mulheres após a polêmica do ministério inicial composto exclusivamente por homens.

SOSSEGA-LEÃO

Paulo Preto recua na intenção de fazer colaboração judicial

Levado ao centro da Lava Jato pelas delações da Odebrecht e pelo “recall” dos acordos de outras empreiteiras, como Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, ex-diretor da Dersa na gestão José Serra, foi dissuadido por ora de fazer delação premiada por seu advogado, o ex-procurador da República José Roberto Santoro, após extrema pressão de tucanos paulistas de alta plumagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.