Fifa teme que polêmica complique negociações finais da Copa do Mundo no Brasil

Funcionário da Fifa afimrou, em anonimato, que história veio no 'pior momento'

Jamil Chade, correspondente em Genebra

15 de outubro de 2011 | 15h47

Alguns dos principais funcionários da Fifa temem que a nova polêmica que supostamente envolve o ministro do Esporte, Orlando Silva, complique de vez as negociações finais sobre o formato da Copa do Mundo no Brasil. A revelação feita pela revista Veja sobre a susposta corrupção envolvendo o ministro eclodiu no pior momento possível para a Fifa, que neste sábado mesmo já foi informada do caso. A partir de domingo, 16, uma delegação brasileira de peso desembarca em Zurique para iniciar os trâmites finais para a decisão sobre os locais de jogos, legislações e relação entre poder público, CBF e Fifa.

 

“Verdade ou mentira, essa história não poderia ter vindo em pior momento”, afirmou ao Estado um alto funcionário da cúpula da Fifa, que pediu anonimato. “Se já estávamos preocupados com o andar do processo, agora o cenário pode ser ainda mais difícil”, disse.

 

O temor da Fifa, que também enfrenta polêmicas internas de corrupção, é de que todas as decisões que estão pendentes do governo acabem sendo adiadas diante da fragilização do principal interlocutor entre o Palácio do Planalto e Zurique, o próprio Ministério do Esporte.

 

Nas últimas semanas, os diversos escândalos de corrupção no governo já haviam sido alvo de comentários e preocupações dentro da Fifa. A cúpula da entidade alerta que não tem qualquer posição sobre a veracidade das denúncias e insiste que "todos são inocentes até que se prove o contrário". Mas o que a entidade teme é que o assunto crie distúrbios em relação ao trabalho que deve ser feito.

 

Há poucos dias, o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, criticou os organizadores brasileiros. Em um evento em Moscou, pediu que os russos “não repitam” os erros do Brasil ao organizar a Copa de 2018.

 

Na terça-feira, em Zurique, o comitê da Fifa encarregado da Copa de 2014 se reúne para chancelar decisões críticas sobre os locais das partidas, estádios e local de abertura do Mundial. O anúncio oficial será divulgado no final da semana. Nos bastidores, uma série de compromissos legais entre o Brasil e a entidade serão alvo de negociações.

Há duas semanas, a presidente Dilma Rousseff esteve reunida com Valcke, em Bruxelas. Na ocasião, ficou estabelecido que o projeto da Lei Geral da Copa seria modificado. No formato que estava, a Fifa estimava que perderia até US$ 1 bilhão em renda com ingressos, patrocinadores e contratos comerciais. 

 

Dilma aceitou fazer algumas mudanças, reduzindo os prejuizos da Fifa. Mas bateu o pé em uma série de assuntos, como a meia-entrada para idosos. Nesta semana, advogados e negociadores tentariam aproximar as posições, com a esperança de que, depois do anúncio das cidades sedes, a Fifa pudesse finalmente revelar a patrocinadores e empresas envolvidas no evento o formato final da Copa. Com o novo escândalo, a preocupação da Fifa é de que essa negociação fique em segundo plano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.