Fiéis visitam o túmulo de Chico Xavier

O cemitério São João Batista, em Uberaba, tornou-se o mais novo centro de peregrinação religiosa do Triangulo Mineiro e do País. Assim que os portões foram abertos, às 7 horas da manhã, pessoas começaram a entrar para visitar o túmulo do médium Francisco Cândido Xavier. As expectativa era que pelo menos 12 mil visitantes fossem ao local durante todo o dia. Operários ainda davam os últimos retoques no túmulo pregando as placas com as datas de nascimento e morto do religioso e o nome, Chico Xavier.Em meio ao barulho da furadeira e ao minucioso trabalho dos operários, os admiradores rezavam.PedidosDuas moradoras de Uberaba foram as primeiras a visitar a sepultura. A empregada doméstica Angela Maria da Silva, de 49 anos, saiu de casa cedo com o objetivo de pedir a cura para o filho. Nos últimos quatro meses, Angela e o filho percorreram médicos e hospitais sem conseguir descobrir a causa da dor que o garoto sente no pescoço. " A minha última esperança é que ele me ajude. Estava muito ansiosa para fazer esse pedido", disse, chorando.A manicure Maria Perpétua Rodrigues, 53 anos, também deixou sua casa na periferia de Uberaba nas primeiras horas da manhã. Ela já tinha estado no velório duas vezes, na noite de segunda feira. " Vim pedir a cura para os meus problemas cardíacos e de varizes".AgradecimentosNada para pedir mas muito a agradecer. Foi esse o motivo da visita do casal Maria Margarida da Costa e Vorique Martins da Costa, ambos de 63 anos. Foi com a ajuda do médium que eles conseguiram alimentar e vestir as duas filhas. Durante vários anos a família, muito carente, se beneficiou da sopa servida pelo espírita. "Quando minha filha nasceu há 35 anos, nós não tinhamos o que comer. Durante 9 meses ele nos deu uma lata de leite para que pudessemos alimentá-la", lembrou Maria Margarida. Hoje, o casal trabalha em um centro espírita na cidade, e Maria Margarida prepara comida distribuída aos necessitados. " Sempre me lembro do sabor da sopa do Chico. Era muito saborosa por causa do amor".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.