Fidel diz que está fraco demais para fazer campanha

Artigo publicado no 'Granma' contradiz avaliação de 'saúde impecável' do presidente Lula.

Denize Bacoccina, BBC

16 Janeiro 2008 | 21h00

Um dia depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva dizer que o presidente licenciado de Cuba Fidel Castro está "com uma saúde impecável", o próprio Fidel assina um artigo no jornal oficial Granma dizendo que está muito fraco para fazer campanha eleitoral."Não desfruto da capacidade física necessária para falar diretamente aos moradores do município onde me inscreveram para as eleições do próximo domingo", afirmou Fidel, explicando que por isso está escrevendo sobre o assunto, em vez de falar, como costumava fazer.Ele é candidato a deputado na eleição para a Assembléia Nacional deste domingo.O artigo foi escrito na segunda-feira e publicado nesta quarta-feira no jornal oficial do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba.Na terça à noite, depois de encontrar com Fidel por duas horas e meia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que ele está "com uma lucidez incrível, está com uma saúde impecável".Fidel diz que escrever é uma experiência nova para ele. "Falar não é o mesmo que escrever", afirma. "Hoje, que disponho de mais tempo para me informar e meditar sobre o que vejo, só posso escrever", continua.Ele faz ainda outra menção à doença quando diz que é preciso "estar preparado para o pior". "O bom se espera, o mal surpreende e desmoraliza. Estar preparado para o pior é a única forma de preparar-se para o melhor", diz o artigo.SorrisoNo encontro com Lula, Fidel aparece sorrindo e com boa aparência, mas na maior parte das imagens divulgadas está sentado numa cadeira de encosto alto. Em apenas uma delas aparece em pé.As imagens foram divulgadas pelo governo cubano, já que não foi permitida a entrada do fotógrafo oficial do presidente Lula no encontro, que só foi confirmado na última hora.Foi a primeira imagem de Fidel em quatro meses. Em setembro do ano passado, ele havia dado uma entrevista à televisão cubana.Desde que adoeceu e se afastou da Presidência, em julho de 2006, Fidel recebeu várias visitas do presidente venezuelano Hugo Chávez, que neste período se tornou seu principal interlocutor público.Lula disse que Fidel está "muito bem de saúde, com uma lucidez como nos seus melhores momentos" e que está "pronto para assumir o papel político que ele tem em Cuba, na história do mundo globalizado e da humanidade"."Se um dia eu ficar doente eu quero ter a mesma capacidade de falar que teve o Fidel comigo. Porque nessas duas horas e meia, Fidel falou duas e eu falei meia hora", disse Lula.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.