André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

'Ficou claro que o ministro soube de uma operação sigilosa com antecedência', diz Gleisi

Em evento de campanha do PSDB em Ribeirão Preto, município de Palocci, o ministro da Justiça disse que teria mais operações por vir nessa semana e chegou a afirmar que, ao serem realizadas as operações, as pessoas se lembrariam do que ele disse

Isabela Bonfim , O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2016 | 17h08

BRASÍLIA - A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) criticou a prisão do ex-ministro da Fazenda de Lula, Antonio Palocci, às vésperas da eleição e afirmou que o Ministro da Justiça, não só sabia da operação da Polícia Federal, como a divulgou em um evento político do PSDB na véspera.

"Mais uma prisão desnecessária com forte componente político. Todos sabemos que o ex-ministro Palocci está sendo investigado há muito tempo, para que fazer uma prisão temporária uma semana antes das eleições? Com um agravante, que ficou claro que o ministro da Justiça sabia com antecedência de uma operação sigilosa, o que não é permitido", afirmou a senadora. 

Em evento de campanha do PSDB em Ribeirão Preto, município de Palocci, o ministro da Justiça disse que teria mais operações por vir nessa semana e chegou a afirmar que, ao serem realizadas as operações, as pessoas se lembrariam do que ele disse. Para Gleisi, o ministro não poderia estar se referindo a outra operação. "A fala do ministro é extremamente política. Ele fala rindo, querendo mostrar que tem informações privilegiadas."

Ações judiciais. De acordo com a senadora, a oposição no Senado vai entrar com duas representações contra Alexandre de Moraes: uma no Ministério Público e a outra na Comissão de Ética da Presidência da República. As duas por violação de sigilo funcional, que incorre tanto em artigo no Código Penal, quanto na lei de improbidade administrativa. Caso as acusações sejam confirmadas, os senadores pedem que o ministro seja afastado do cargo.

"Além de saber de algo que ele não poderia com antecedência, ele ainda divulgou. Nós analisamos que o ministro não pode continuar no cargo", afirma Gleisi. 

No Senado, a oposição vai tomar ainda outras três medidas. Um requerimento de convocação do ministro Alexandre de Moraes, para prestar esclarecimentos à Comissão de Constituição e Justiça, e dois requerimento de informação à Casa Civil e ao Ministério da Justiça sobre a atuação do ministro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.