Ficha pode ter caído tarde, diz ministro sobre Valério

Para Marco Aurélio Mello, depoimento do publicitário não terá efeito no julgamento do mensalão

Ricardo Brito, da Agência Estado

01 de novembro de 2012 | 18h53

BRASÍLIA - O ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello afirmou nesta quinta-feira, 1, à Agência Estado que o depoimento prestado em setembro pelo empresário e publicitário Marcos Valério ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, não surtirá qualquer efeito para o processo do mensalão, em julgamento desde agosto pelo STF.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo publicada nesta quinta revela que Valério, o operador do mensalão, envolveu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro Antonio Palocci no esquema ao depor para Gurgel. Valério ainda afirmou que, se for incluído no programa de proteção a testemunhas - o que o livraria da cadeia -, poderá dar mais detalhes das acusações. O publicitário foi condenado no Supremo pelos crimes de corrupção ativa, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e peculato.

"A ficha pode ter caído um pouco tarde", afirmou Marco Aurélio, ao destacar que, para o processo do mensalão, "essa postura de Marcos Valério é neutra, não repercute". O ministro avaliou que, para ter direito à delação premiada, com eventual redução de penas, o envolvido precisaria elucidar fatos de que participou. Contudo, Marco Aurélio disse que, "no caso concreto, a prova foi realizada e o caso já foi julgado".

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaoValérioMarco Aurélio Mello

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.