FHC visita Suécia, Polônia e Eslovênia

O presidente Fernando Henrique Cardoso vai envolver-se diretamente, nos próximos dias, na tarefa de promover o comércio de produtos brasileiros no Leste Europeu e de arrebanhar mais investimentos escandinavos para o setor produtivo nacional. Essa missão começa na próxima quinta-feira, quando FHC desembarca na Suécia para participar da reunião de Cúpula da Governança Progressista, ao lado de 12 outros chefes de Estado envolvidos há três anos nos debates sobre uma alternativa às políticas neoliberais.O presidente deve retornar ao Brasil apenas no próximo dia 28. Entre os dias 21 a 24, aproveitará os espaços na agenda da reunião de cúpula, em Estocolmo, para contatos com o governo e com setores empresariais da Suécia. O objetivo será estreitar os laços econômicos e políticos com aquele país - com o qual o Brasil jamais manteve contenciosos.Venda de caçasNa próxima sexta-feira, FHC almoçará com empreendedores locais e, em seguida, se reúnirá com o presidente do Grupo Wallenberg, Jacob Wallenberg. Há expectativas de esse último encontro gerar anúncios de novos investimentos no País.Segundo o diretor do Departamento de Europa Ocidental do Itamaraty, embaixador Marcelo Jardim, o Brasil recebe investimentos suecos desde 1926. O primeiro deles foi realizado pela Ericsson ? uma das principais fabricantes de aparelhos telefônicos do País. As estimativas indicam que o estoque de recursos injetados no Brasil supera US$ 2,6 bilhões.Ericsson, Scania, Electrolux, Asea Brown Bovery e Saab fazem parte do Grupo Wallenberg, responsável por cerca de US$ 1 bilhão do total de investimentos. Na outra mão, a Suécia deve insistir na aprovação da proposta apresentada ao Ministério da Defesa do Brasil, de venda de caças JAS Gripen, fabricados pelo grupo Saab-British Aerospace. A JAS Gripen concorre com empresas dos Estados Unidos, da Rússia e da França nesse processo, que prevê a venda de 12 a 24 aviões para a Força Aérea brasileira e um faturamento da ordem de US$ 700 milhões.PolôniaNo dia 24, o presidente Fernando Henrique Cardoso desembarca na Polônia. Trata-se de um dos países do Leste Europeu com maior potencial de absorção de produtos brasileiros. O interesse brasileiro está focado na possibilidade de venda de aeronaves da Embraer para a companhia aérea Lot, que já conta com 15 aviões da empresa brasileira em sua frota.O presidente assinará, também, acordos bilaterais sobre medidas sanitárias e fitossanitárias que deverão facilitar o ingresso de carnes bovina, suína e de frango do Brasil no mrcado polonês. Paralelamente, uma comitiva de empresários brasileiros com forte interesse no comércio com a Polônia e empreendedores locais participarão de um seminário, que será encerrado com um discurso de Fernando Henrique.EslovêniaEntre as companhias presentes estarão Vale do Rio Doce, Belgo-Mineira, Embraer e Ferronorte. A viagem de FHC à Europa será encerrada com a visita, nos dias 26 e 27, à Eslovênia, país ao qual o Brasil exportou apenas US$ 4,1 milhões no ano passado. Ele se encontrará com o presidente Rudolf Schuster, que já escreveu três livros sobre o Brasil e liderou uma missão ao País em julho do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.