FHC vai discutir crise nas polícias com líderes políticos

Preocupado com a continuação da mobilização grevista pelos policiais militares em diversos Estados, o presidente Fernando Henrique Cardoso, além de se reunir com os governadores, na sexta-feira, vai convidar para um jantar, na próxima quarta-feira, as principais lideranças políticas do País. Na pauta, os projetos que estão em tramitação no Congresso e podem ser aprovadas para aperfeiçoar o sistema de segurança pública brasileiro e solucionar os problemas entre governos e polícias.O presidente falou ainda sobre sua preocupação com a mobilização da polícia paulista. "O presidente quer encontrar uma solução legislativa rápida para resolver os problemas da segurança pública do País", declarou o presidente interino do Congresso, senador Édison Lobão (PFL-MA), depois de se reunir com Fernando Henrique no Planalto. O jantar da quarta-feira da semana que vem contará com a presença também do presidente da Câmara, Aécio Neves, dos líderes partidários, do vice-presidente Marco Maciel, e do secretário-geral da Presidência, Aloysio Nunes Ferreira. "Esse sistema de greves atemoriza", declarou Lobão, ao explicar que o presidente pediu um levantamento completo de todos os projetos que estão em andamento no Congresso. Na relação de matérias em tramitação no Senado estão projetos que criam a guarda nacional, restringem o porte de armas e unificam as polícias militar e civil. Há ainda o projeto que altera o Código Penal para esclarecer que os crimes militares dolosos praticados por militares sejam julgados pelo tribunal do júri. Segundo Lobão, a questão salarial também será discutida na próxima quarta-feira. Fernando Henrique já havia advertido que não irá liberar recursos para os Estados aumentarem os salários dos PMs. "Há uma escala salarial muito diversificada e é preciso encontrar um caminho para resolver isso", afirmou Lobão que sugeriu a criação de uma comissão mista para discutir os projetos prioritários a serem aprovados.Lobão reconhece que há resistências a muitos deles e citou como exemplo a proposta que prevê a unificação das polícias civil e militar. Lobão afirmou não ter discutido com o presidente a Medida Provisória a ser assinada, dando poder de polícia às Forças Armadas. Na reunião de quinta-feira no Planalto, estarão presentes os governadores da Bahia, Alagoas, Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraná, Pará e Distrito Federal.Nesta sexta-feira à tarde, o presidente Fernando Henrique faz uma reunião com seus assessores mais próximos, preparatória para o encontro de governadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.