FHC tenta deter disputa sobre sucessão

O presidente Fernando Henrique Cardoso resolveu agir pessoalmente para conter o debate, no PSDB, sobre a sucessão em 2002. O assunto foi colocado por Fernando Henrique no jantar oferecido ao governador Tasso Jereissati (PSDB-CE) no Palácio da Alvorada, e que terminou na madrugada. Depois de ouvir e concordar com as críticas de Tasso, de que é preciso mais transparência nas decisões do partido, o presidente expôs sua preocupação com a antecipação do processo sucessório. "Falar em sucessão agora é ficar contra mim e contra o governo", disse Fernando Henrique no jantar. O maior medo de Fernando Henrique é que o surgimento de um nome forte dentro do próprio PSDB, com tanta antecedência, acabe esvaziando os dois últimos anos de seu mandato. Por isso, o recado do presidente serviu para retardar não só os passos de Tasso Jereissati, mas principalmente do ministro da Saúde, José Serra (PSDB). Neste momento, Serra está em situação privilegiada dentro do partido, depois de ter articulado as campanhas vitoriosas dos presidentes da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG) e do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA). Tasso Jereissati saiu do encontro, que durou seis horas, afinado com o presidente Fernando Henrique. "Eu não estou concorrendo com o ministro Serra", enfatizou o governador cearense ao sair do Alvorada, às 2 horas da madrugada. "Eu me recuso a concorrer com o ministro Serra e não vou concorrer com ninguém dentro e fora do partido, pelo menos neste momento", completou Tasso. Também participaram do encontro os líderes do governo no Senado, José Roberto Arruda (PSDB-DF) e no Congresso, deputado Arthur Virgílio, além do ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.