FHC também viveu crise por causa do senador

Comparados constantemente, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso têm também em comum as crises políticas provocadas pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).Se agora Lula tenta amenizar os efeitos das denúncias contra Sarney, FHC, em 2002, viu seu principal partido aliado, o PFL (hoje DEM) desembarcar do governo em solidariedade à sua então pré-candidata à sucessão presidencial Roseana Sarney, filha do senador.Na época, Roseana e Sarney acusaram o governo e o PSDB de terem responsabilidade nas investigações feitas pela Polícia Federal no chamado Caso Lunus, no início de 2002, quando Roseana liderava as pesquisas de intenção de voto para o Planalto. Na ocasião, a PF descobriu cerca de R$ 1,3 milhão em dinheiro vivo dentro da sede da empresa Lunus, de propriedade de Roseana e de seu marido, Ricardo Murad.A dificuldade para explicar o dinheiro fez com que a candidatura de Roseana implodisse, empurrando o PFL e o clã Sarney para fora do governo. Pior. Irritado com o problema, Sarney empurrou parte expressiva do PMDB em direção à candidatura de Lula, apesar de os peemedebistas apoiarem oficialmente o nome de José Serra, tendo indicado a deputada Rita Camata (PMDB-ES) como vice de sua chapa.Ainda que a maior parte dos cargos do PFL tenha sido preservada por FHC, os ministérios ocupados pelo partido foram entregues, obrigando o presidente a reformular boa parte de seu primeiro escalão. O PFL entregou as pastas da Previdência Social, Minas e Energia e Esportes e Turismo.Ironicamente, o gesto não serviu para impedir que, anos depois, Roseana trocasse o DEM pelo PMDB, assumindo a liderança do governo Lula no Congresso. Mais irônico ainda foi o fato de o DEM ter retirado o apoio ao clã Sarney e pressionasse pela renúncia do presidente do Senado. "As denúncias contra o senador Sarney são graves e a crise do Senado é ruim para a imagem de todos os parlamentares e para a instituição", lamenta o presidente nacional do DEM, Rodrigo Maia (RJ).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.