FHC só tem agenda pessoal em seu último dia nos EUA

O presidente Fernando Henrique Cardoso, que termina nesta terça-feira, em Nova York, sua última viagem ao exterior como chefe-de-estado, hoje vai cuidar de uma agenda estritamente pessoal ate embarcar de volta ao Brasil, às 21h30 (30 minutos da quarta-feira no Brasil). Segundo um de seus assessores, ele acha que "o dia de Lula", que estar em Washington, como presidente eleito, em sua primeira visita oficial ao presidente americano, George Bush.Fernando Henrique almoçou na segunda-feira com o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan e aceitou o convite para ser seu conselheiro especial. FHC pretende encontrar-se novamente com ele hoje para detalhar os termos dessa tarefa. Ao deixar a Presidência, ele não quer se envolver em questões burocráticas e aceitaria funções políticas e intelectuais. Um dos temas que lhe interessa é o do aspecto político do Conselho de Segurança da ONU. "Nesse caso, estou absolutamente alinhado com o pensamento de Kofi Annan, que o de valorização do conselho, com participação multilateral ? e no unilateral - crescente", disse o presidente. ConvitesPara os próximos dois anos, ele não quer assumir compromissos que o mantenham muito no exterior, preferindo passar a maior parte do seu tempo no Brasil. Por isso, prefere analisar com calma os convites que tem recebido de universidades americanas e européias para voltar à vida acadêmica de sociólogo. Para ele, um dos convites mais interessantes é o da Brown University, no estado de Rhode Island (EUA), onde poderia ficar apenas três meses por ano.Sua intenção é passar mais tempo no Brasil para organizar um instituto ao qual vai doar sua biblioteca e documentação. A entidade, segundo prevê Fernando Henrique, ficará ligada à Universidade de São Paulo (USP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.