FHC, Serra e Jarbas trocam elogios rasgados

O lançamento do projeto Alvorada nesta setxa-feira, em Recife, foi palco de elogios rasgados entre o presidente Fernando Henrique, o ministro da Saúde, José Serra, e o governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB). "Jarbas faz parte de um patrimônio estadual e nacional, e ele sabe o apelo que faço a ele para que no plano nacional dê uma contribuição dele e de Pernambuco para levarmos adiante as tarefas grandes de transformação do País", afirmou o presidente.Serra, por sua vez, disse que Fernando Henrique e Jarbas possuem "muitas características em comum porque têm mostrado, através da vida pública, que é possível compatibilizar política com ética, política com mudança, política com desenvolvimento, política com justiça social".As afirmações do presidente e do ministro reforçam a especulação de que o governador pernambucano poderia vir a ser o candidato a vice numa eventual chapa liderada por Serra à sucessão presidencial.Considerado um grande parceiro e aliado do governo federal, Jarbas fez a sua parte dando total apoio ao presidente num momento em que a oposição se mobiliza para a criação de uma CPI para investigar denúncias de corrupção no governo.Jarbas disse estar regozijado com a presença de Fernando Henrique, garantindo que o presidente irá colher, em breve, os frutos do trabalho promovido nesses seis anos. Entre esses frutos, a compreensão da nação. "Ninguém no País, seja prefeito ou governador, fará ajuste social se não tiver suas finanças ajustadas", frisou ele. "Fará se for irresponsável, fazendo com que as contas estourem nas mãos do seu sucessor".Jarbas lembrou que se Fernando Henrique estava ali, naquele momento, para a assinatura de convênios no valor de R$ 170 milhões para beneficiar 164 municípios com obras de saneamento básico, era porque ele havia feito antes o ajuste das contas.Para Jarbas, Fernando Henrique será lembrado como um presidente desenvolto, digno e reformista. "Não de todas, mas de parte das reformas que o Brasil exige".O presidente voltou a criticar a oposição, dizendo que o futuro do País, com a melhoria de vida da população, não se faz sem parceria, com visão pequena, nem transformando posição política em barreira contra o avanço. "Não acredito em oposição que só sabe dizer não, que não é capaz de reconhecer avanço quando ele existe, que usa palavras para abarcar o que não é verdadeiro", disse ele, depois de observar que "olhar para o social" não é fazer discurso, criar slogan, acusar ou xingar. "Olhar para o social é trabalhar penosamente no dia-a-dia".Realizado nos jardins do Palácio do Campo das Princesas, o ato contou com a presença do vice-presidente da República, Marco Maciel, dos ministros das Minas e Energia, José Jorge, do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, e da Comunicação Social, Andrea Matarazzo, dos 164 prefeitos beneficiados e toda a bancada de sustentação do governo na Câmara e Senado.Assim que chegou ao Palácio, o presidente posou para uma foto ao lado dos prefeitos, defronte de uma mini-arquibancada (onde os prefeitos se posicionaram) e de um enorme painel do Projeto Alvorada, armado com esta única finalidade. A assinatura dos convênios ocorreu em um outro palco.Situação de FirminoO ministro das Minas e Energia, José Jorge (PFL), disse que no início da próxima semana será definida a situação do presidente da Eletrobrás, Firmino Sampaio. Por enquanto, segundo ele, ainda não há decisão sobre sua permanência ou saída do cargo.José Jorge disse que há um grupo, dentro do governo, que defende a saída de Sampaio, já que ele é ligado ao senador Antonio Carlos Magalhães (PFL), que passou a ser oposição.Outro grupo defende a sua permanência. O assunto será discutido internamente, de acordo com José Jorge, e a decisão será tomada mediante critério político.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.