FHC reage às críticas do presidente da Abrinq

O presidente Fernando Henrique Cardoso reagiu, por intermédio do seu porta-voz, Alexandre Parola, às críticas recebidas do presidente da Fundação Abrinq, Hélio Matta. O empresário teria dito que "o presidente não foi uma pessoa amiga da criança e do adolescente" e acusado o governo de não ter cumpirdo a maioria das metas estabelecidas em 1990 pela Cúpula Mundial da Criança. Segundo o porta-voz, Fernando Henrique "tem dificuldade de acreditar que o senhor Hélio Matta tenha feito a avaliação que a ele se atribui sobre os programas do governo brasileiro para a infância e adolescência, porque a própria Cúpula da Criança, ao se reunir no ano passado, reconheceu os avanços desse governo nessa área". Parola prosseguiu dizendo que "o senhor Matta costuma ser um homem bem informado e é estranho, portanto, ele ignorar a evolução importante ocorrida nesta área, nos últimos anos. O registro dessa evolução está contemplado, por exemplo, no relatório apresentado pela Cúpula da Criança, em Nova Iorque, no ano passado". Fernando Henrique, segundo o porta-voz, afirmou que "das 27 metas estabelecidas, nove foram integralmente cumpridas, outras11 foram virtualmente asseguradas, e as que restam, apresentam problemas conceituais de mensuração, que torna difícil avaliar se foram ou não cumpridas". Parola disse ainda que o Unicef, o fundo da ONU para a infância, reconheceu o trabalho do governo, em carta dirigida ao presidente da República no dia 3 de junho.Os números usados por Matta para dizer que o Brasil não atendeu aos compromissos são os mesmos de que se vale Fernando Henrique, apenas com uma leitura diferente. De acordo com Matta, o Brasil teria executado apenas nove das 27 metas estabelecidas na cúpula mundial da ONU. Outras 12 metas foram cumpridas apenas parcialmente, e nas seis delas não pôde ser verificado o cumprimento, pela inexistência de indicadores sobre o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.