FHC quer Gilmar Mendes no STF

O presidente Fernando Henrique Cardoso pode tentarconvencer um dos três ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que se aposentam em 2003 a deixar a Corte no final do próximo ano, segundo integrantes do STF. Com a antecipação da aposentadoria, Fernando Henrique conseguiria garantir uma vaga na mais alta Corte de Justiça do País para um de seus fiéis subordinados, o advogado-geral da União, Gilmar Mendes.Se conseguir o seu objetivo, Fernando Henrique indicará mais dois juristas até o final de seu mandato e não apenas um, como estava previsto. A única vaga garantida surgirá em abril, com a aposentadoria compulsória do ministro Néri da Silveira, que completará 70 anos. As apostas no STF são de que a cadeira será ocupada pelo vice-presidente Marco Maciel.Para conseguir indicar Gilmar Mendes antes de deixar o Palácio do Planalto, Fernando Henrique terá de convencer ou Sydney Sanches, Moreira Alves ou Ilmar Galvão a deixar seu posto até o final do próximo ano, apesar de eles terem o direito de continuar no tribunal até o início de 2003. Segundo dois ministros do Supremo, as negociações jáfazem parte dos comentários informais no STF. Se conseguir a segunda vaga para 2002, Fernando Henrique nomeará em seus oito anos de governo quatro ministros para o Supremo ? além dos dois novos, o seu ex-ministro da Justiça Nelson Jobim e a juíza gaúcha Ellen Gracie. O próximo presidente da República terá chances de indicar no primeiro mandato cinco ministros. O número cairá para quatro se um dos ministros que se aposentará em 2003 resolver antecipar sua saída para 2002. Se o presidente for reeleito, poderá fazer maioria absoluta no Supremo, queé integrado por onze ministros.Esse fato despertou um debate no STF e no Congresso. O presidente do Supremo, Marco Aurélio Mello, chegou a apoiar proposta do senador Eduardo Suplicy (PT-SP) para modificar a forma de indicação dos ministros do tribunal, permitindo a participação dos outros Poderes na sugestão de nomes para o STF.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.