FHC promete uma "explosão efetiva" do Carandiru

O presidente Fernando Henrique Cardoso prometeu hoje, em solenidade no Planalto, que "até o final do seu mandato vai fazer uma explosão efetiva, não simbólica, do (Complexo Penitenciário do) Carandiru". Segundo o presidente essa "explosão" do Carandiru servirá como marco da mudança do sistema de penitenciárias do País. O Complexo Penitenciário de Carandiru foi palco da morte de 111 presos em 1992, quando a Polícia Militar de São Paulo invadiu o complexo para conter uma rebelião.Fernando Henrique avisou que firmou um "compromisso" com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para promover mudanças no Carandiru. "Será o símbolo de que vamos ter um sistema penitenciário de outra natureza, que nós estamos ajudando a construir", afirmou ele, ao anunciar que o governo federal está liberando R$ 148,7 milhões do Fundo Nacional de Segurança Pública para sete estados e R$ 4,3 milhões do Fundo Penitenciário Nacional, que serão distribuídos para quatro estados.Segundo o presidente a reformulação do sistema penitenciário em alguns estados está sendo feita pela ação direta do governo federal e em outros estados, em cooperação com os governos locais. "São ações concretas que estão em marcha, mas ainda há muito a fazer", acentuou ele, enumerando algumas dessas ações. "O fundo penitenciário nacional já repassou R$ 98 milhões para reforma e construção de presídios em todo o país", salientou, acrescentando que esse tipo de medida é que contribuirá para a redução da violência nos estados, com uma "verdadeira mudança de clima nesta área".Pelo convênio assinado hoje, receberão recursos do Fundo penitenciário os estados do Pará (R$ 480 mil), Tocantins (R$203 mil), Rio Grande do Sul (R$ 1,2 milhão) e Bahia (R$ 2,3 milhões).Já o Fundo Nacional de Segurança Pública destinará R$ 148,7 milhões para nove estados, sendo que São Paulo será contemplado com a maior parte, R$ 38,7 milhões. O convênio com São Paulo ficou para a semana que vem, de acordo com o Ministério da Justiça, porque ficaram faltando alguns documentos. Pernambuco receberá R$ 12,7 milhões. Amazonas ficará com R$ 7 milhões, contra R$ 11 milhões do Distrito Federal, R$ 14 milhões de Goiás, R$ 10,1 milhões do Ceará, R$ 18 milhões do Paraná, R$ 14 milhões de Santa Catarina e R$ 18,8 milhões para a Bahia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.