FHC prega Estado ágil e competente

Em um discurso feito neste domingo, na abertura do seminário ?O Desafio Democrático nas Américas?, o presidente Fernando Henrique Cardoso abordou os desafios da democracia no continente e ressaltou que ?o que se vê é que está havendo um enraizamento da democracia? e na velha contenda entre se atingir a igualdade e manter a liberdade ?hoje em dia essa dúvida foi desaparecendo?.Tendo ao lado na mesa o presidente peruano Alejandro Toledo e o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Enrique Iglesias, Fernando Henrique afirmou que, quando senador, dizia que o sistema político brasileiro estava atrás da sociedade. ?Isso eu dizia antes, agora eu acho o sistema uma maravilha. O Congresso, maravilhoso.?O presidente enfatizou ser possível combater a pobreza e a desigualdade dentro do regime democrático, mas ressaltou a necessidade cada vez maior de o Estado ser competente. ?Realmente, nós temos um problema de um certo desequilíbrio entre o que a sociedade demanda, o que ela já é capaz de se propor e a capacidade de processar essas demandas pelo nosso sistema político?, disse.RiquezaFernando Henrique destacou o papel central reservado à universidade e, em especial, à educação, como ferramentas capazes de assegurar o desenvolvimento. ?É essencial para que a própria economia possa acrescentar riqueza suficiente, para que possamos dar conta da nossa agenda política e social.?Bem-humorado, em terno branco e gravata azul, Fernando Henrique brincou com o presidente do BID. Iglesias teria sido nos últimos dias, segundo o presidente, aclamado imperador do Brasil, dada à sua intensa participação no evento. Fernando Henrique estendeu a brincadeira ao governador do Ceará, Tasso Jereissati (PSDB), apresentando-o como o ?marquês Jereissati?.PopularidadeToledo lembrou que o grande desafio da democracia é conviver com a desigualdade e a pobreza e, por mais difícil que seja, os governantes devem evitar ações populistas que levem à ruína econômica. Ele contou que, por agir assim, enfrenta queda no índice de popularidade. ?Estou acostumado?, emendou Fernando Henrique, em espanhol. Ele sublinhou que a luta contra a desigualdade em cada país passa também pelo combate às assimetrias internacionais.Ao final do seminário, o presidente brasileiro resumiu o debate da seguinte forma: ?A liberdade é fundamental, a democracia não se restringe à institucionalidade partidária e eleitoral ? se estende à sociedade, requer um Estado mais ágil e mais competente?, disse. ?E é possível sim, dentro da democracia, levar políticas sociais que diminuam o nível de pobreza.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.