FHC precisa controlar a inveja e o rancor, diz Ciro

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, rebateu duramente as declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de que "a ética do PT é roubar". Ciro Gomes ressaltou que durante o vôo de Brasília a Argélia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não se referiu ao caso. Mas logo ao desembarcar em Argélia, Ciro saiu em defesa do atual governo. "O presidente Fernando Henrique precisa controlar a inveja e o rancor. Ele precisa manter o recato com que se comportaram 100% dos ex-presidentes do Brasil. Veja o comportamento do Collor", declarou Gomes. "Ele (FHC) precisa parar e pensar antes de seguir nessa linha", ressaltou.Segundo o ministro, duas razões embasam a sua advertência para que Fernando Henrique não dê mais declarações como essa. A primeira, segundo Ciro, que os padrões éticos do seu governo não resistiriam a uma comparação com nenhum dos anteriores, se o critério for o grau de lesão dos cofres públicos em cada circunstância. A segunda razão, na visão do ministro, é que não está disponível às pessoas violentar as tradições republicanas e federativas. Ciro Gomes insistiu ainda que se o ex-presidente seguir nessa linha beneficiará o governo Lula. "As pesquisas (de opinião) mostraram que os mesmos segmentos que se decepcionaram com o nosso governo não têm boa lembrança do governo dele", afirmou. Para Ciro, o comportamento de FHC é irracional, porque é movido pelo rancor e pela inveja, e o ex-presidente "usurpa" o espaço de outros possíveis candidatos à corrida presidencial, referindo-se aos nomes apontados no PSDB e no PFL. Ciro afirmou ainda que se forem comparados os oito anos do governo FHC aos três anos de gestão do presidente Lula "não há um único número que o governo Lula não esteja em grande vantagem". Questionado se deixará o governo em abril, prazo para quando se espera que os ministros se candidatem a postos públicos se desliguem do governo, Ciro Gomes foi sintético: "o presidente Lula é quem sabe". "Pelo meu gosto fico quieto e saio da política por algum tempo", completou. Novamente questionado se poderia ser candidato a vice-presidente na chapa com Lula, Ciro afirmou que essa pergunta deve ser endereçada ao Palácio do Planalto. Mais uma vez questionado se gostaria de ser o vice, respondeu: "você acha que eu sou bobo para responder essa pergunta?".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.