FHC pede que oposição não perca de vista a governabilidade

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez uma recomendação aos líderes do PSDB e do PFL durante o jantar que ofereceu ontem às cúpulas dos partidos. ?Nada de discurso desestabilizador e nunca perder de vista a governabilidade?. O ex-presidente disse estar preocupado com o governo e, numa avaliação do comportamento dos dois partidos, ressaltou que a oposição está atuando de forma responsável. ?Ele acha que estamos fazendo na conta certa. Fazendo cobranças e entendendo que não é preciso abrir mão das investigações para aprovar as medidas necessárias ao País?, afirmou o líder do PSDB, senador Arthur Virgílio (AM). ?Não está havendo excessos e, da nossa parte, nada que contribua com a crise será feito?, disse o líder. Ele contou que Fernando Henrique aprovou a aliança que PSDB e PFL estão fazendo no Congresso, aconselhando que os dois partidos devem prosseguir os entendimentos para o futuro, mas não fez planos eleitorais. ?Acho bom que vocês estejam juntos, pavimentando caminhos futuros?, afirmou o ex-presidente, segundo relato de Virgílio.Alguns convidados do ex-presidente entenderam que ele cometeu um "ato falho" durante, o que acabou levantando especulações entre os presentes de que ele ainda poderá disputar um novo mandato eletivo, ao contrário do que vem dizendo publicamente. Depois de tecer elogios ao ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, afirmou: "É uma pena que nos Estados Unidos o camarada pode ser presidente da República duas vezes e depois não pode ser mais nada". Ao contrário da legislação norte-americana, a lei brasileira permite ao ex-presidente retornar à política. Virgílio disse que a aliança entre os tucanos e pefelistas para 2006. No entanto, entende que a coligação poderá ocorrer, já que os dois partidos estão atuando conjuntamente no Congresso. O clima do jantar foi de descontração e de confraternização como classificou o presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), que esteve à vontade com o presidente do PSDB, José Serra, depois de um longo período de estremecimento por conta da disputa eleitoral pela Presidência da República em 2002. À época, Bornhausen acusou Serra de ter armado uma operação na empresa Lunus da ex-governadora Roseana Sarney, candidata à sucessão presidencial pelo PFL. Fernando Henrique estava bem-humorado e provocou muitas risadas. Aos comentários de que o vinho chileno estava muito bom, o ex-presidente não se conteve: "Se fosse menos gente dava para servir um vinho melhor".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.