FHC pede clemência para nigeriana condenada à morte

O presidente Fernando Henrique Cardoso enviou nesta sexta-feira uma carta ao governo da Nigéria, pedindo clemênciapara Safiya Hussein, condenada à morte no final de 2001 por ter tido uma filha fora do casamento.Fernando Henrique deixou claro na sua carta ao presidente da Nigéria, Olosegun Obasanjo, que o seu pedido não constitui desrespeito à soberania nigeriana, tratando-se de uma preocupação humanitária.O presidente brasileiro disse respeitar plenamente a soberania da Nigéria: "Não é meu desejo interferirem seus assuntos internos ou fazer julgamento sobre seu sistema legal. Esteja certo de que minha iniciativaé motivada exclusivamente pela preocupação humanitária por uma vida humana e pela justiça". Na informação divulgada pela Radiobrás, há a explicação de que o pedido de clemência caracteriza aformalização da postura do presidente brasileiro que, no dia 8 de março, durante as comemorações do DiaInternacional da Mulher, assumiu a posição de defesa da vida da nigeriana."Este é um caso que suscitou grande preocupação no Brasil, assim como em outros países, e esta é a razão pela qual transmito este apelo a Vossa Excelência, como a um amigo pelo qual tenho maior respeito e admiração", argumenta Fernando Henrique.Safiya foi a primeira mulher condenada à morte na cidade de Sokoto, norte da Nigéria, após areintegração do Código Penal Fundamentalista - o Sharia - segundo o qual mulheres adúlteras são punidas com a morte, e ladrões com a amputação das mãos.A condenação de Safiya Huseini ganhou a atençãomundial por ela argumentar que já estava divorciada e que sua filha, Adama, de 11 meses, é fruto de um estupro. A corte nigeriana aguarda apenas o final do período de amamentação da criança para aplicar a sentença, o que está marcado para o próximo dia 18.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.