FHC: momento errado para limitar MPs

Este não é o momento adequado para a votação da Proposta de Emenda Constitucional que disciplina o uso de medidas provisórias. A conclusão é do presidente Fernando Henrique Cardoso, dada em conversa com o líder do governo no Congresso Nacional, deputado Arthur Virgílio Neto. Segundo o líder, o presidente tem recebido sinais do PFL de que o clima de um provável racha na base governista está diminuindo. Mas mesmo assim, o governo, segundo o deputado, quer mais segurança para colocar a proposta polêmica em votação. "O presidente disse que está tranqüilo e cada vez mais confiante no PFL", relatou Virgílio Neto. Mas admitiu que "existe um quadro de adrenalina", que deve ser evitado. "O presidente não se importa de abrir mão de alguns poderes, mas não da governabilidade", afirmou Arthur Virgílio, referindo-se à proposta de restrição nas reedições de MPs. Virgílio Neto disse também que o presidente reafirmou o apreço que tem pelo líder do PFL, Inocêncio Oliveira, e que acredita que todo este episódio em torno das ameaças de oposição ao governo será encerrado com a escolha dos presidentes da Câmara e do Senado. Mesmo assim, o presidente, segundo Virgílio Neto, não vai se intrometer na disputa para esses cargos. "O presidente não contornaria o racha na base apoiando um ou outro candidato", afirmou Virgílio Neto, ao lembrar que tanto Aécio Neves, candidato pelo PSDB, quanto Inocêncio Oliveira, do PFL, são amigos do presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.