FHC mantém Brindeiro por mais dois anos

O presidente Fernando Henrique Cardoso decidiu nesta quinta-feira indicar Geraldo Brindeiro para ocupar, pela quarta vez consecutiva, o cargo de procurador-geral da República.A decisão de Fernando Henrique, que teve o apoio de 57 senadores, provocou um comentário lacônico do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello."Uma opção de Sua Excelência, o presidente da República", analisou o ministro que, nos últimos seis anos, encontra-se todas as semanas com Brindeiro nas sessões plenárias de julgamento do STF. Apesar da indicação pelo presidente da República, Brindeiro só manterá o cargo por mais dois anos depois de passar por uma sabatina no Senado Federal. Essas provas, no entanto, geralmente são apenas protocolares.Especialmente no caso de Brindeiro, que tem o apoio maciço dos senadores e é parente do vice-presidente Marco Maciel. Ao optar por manter Brindeiro, o governo permitirá que ele se torne recordista em permanência no mais alto posto do Ministério Público Federal.Para indicar Brindeiro novamente, Fernando Henrique levou em consideração a atuação do procurador-geral nos últimos seis anos. Nesse período, Brindeiro agiu de forma discreta e evitou criar polêmicas. Por causa desse perfil, ganhou o apelido de "engavetador-geral da República".Em um dos episódios mais recentes, Brindeiro ratificou um parecer de seu vice, Haroldo Ferraz da Nóbrega, contrário à reabertura das investigações do desvio de recursos do Banco do Estado do Pará (Banpará). À época das irregularidades, o Pará era governado pelo atual presidente do Congresso, Jader Barbalho (PMDB-PA).Curiosamente, Jader não aderiu ao abaixo-assinado em favor da recondução de Brindeiro. Ao indicar Brindeiro para um novo mandato, Fernando Henrique desagradou a uma ala de procuradores considerada mais radical pelos aliados do atual chefe do Ministério Público Federal.Recentemente, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) realizou uma consulta entre os integrantes do Ministério Público para descobrir quem era o preferido da maioria da classe para ocupar o posto.Na "eleição", Brindeiro ficou apenas em sétimo lugar, com 67 votos. Os três melhores colocados foram os subprocuradores Antônio Fernando Barros e Silva de Souza, Cláudio Lemos Fontelles e Ela Wiecko de Castilho, com 184, 123 e 101 votos, respectivamente.A lista com os três nomes mais votados foi encaminhada a todos os senadores, ao presidente Fernando Henrique e a vários ministros. Presidente da ANPR, Carlos Frederico Santos disse nesta quinta-feira que considera legítimo o ato de Fernando Henrique, mas afirmou que a entidade vai continuar lutando para modificar a Constituição. Santos quer que seja permitida apenas uma recondução e que o procurador-geral seja escolhido a partir de uma lista tríplice indicada pela maioria da categoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.