FHC indica Andrea Matarazzo para embaixada

O presidente Fernando Henrique Cardoso encaminhará ao Senado, nos próximos dias, a mensagem oficial de indicação do ministro-chefe da Secretaria de Comunicação de Governo, Andrea Matarazzo, para o posto de embaixador brasileiro na Itália. A sabatina de Matarazzo pelo Senado, para que seu nome seja submetido à aprovação do plenário em votação secreta poderá ocorrer ainda este mês, o último em que a representação diplomática em Roma será dirigida pelo embaixador Paulo Tarso Flecha de Lima. O "agreement", ou o "de acordo", do governo italiano ao nome de Matarazzo foi anunciado no mês passado, abrindo o caminho para que a designação fosse formalizada. Será a primeira vez na história do país que um legítimo descendente de imigrantes volta ao País como representante do Brasil perante o governo italiano. "Para mim é uma honra, o que sempre quis", diz o ministro.Matarazzo deverá ser substituído na Secretaria de Comunicação pelo publicitário Luís Macedo, ex-controlador da MPM, vendida em 1991 para o grupo inglês Lowe Lintas. Macedo já foi consultado e a escolha já teria sido feita pelo presidente da República. A virtual confirmação de um publicitário para continuar a cuidar da imagem e da comunicação institucional do governo encerra o debate que se deu nos bastidores do Palácio do Planalto sobre a mudança do perfil da Secretaria de Comunicação no último ano do mandato de Fernando Henrique. A idéia em debate era atribuir ao titular do cargo também um papel político, capaz de se tornar nesse período referência da comunicação e de difusão das políticas públicas consideradas mais representativas da presidência Fernando Henrique. O ministro Raul Jungman, da Reforma e do Desenvolvimento Agrário, chegou a discutir o assunto informalmente com o presidente, que se inclinava a transferi-lo para a vaga de Matarazzo. Jungman, no entanto, optou por tentar a carreira parlamentar e se candidatura a um mandato por Pernambuco, o que fará com que deixe compulsoriamente o governo até abril do ano que vem, conforme determina a legislação eleitoral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.