FHC inaugura trecho de Rodoanel e cobra votação da CPMF

O PSDB transformou a cerimônia de inauguração do segundo trecho do Rodoanel, esta manhã em São Paulo, em um ato político em favor das candidaturas do senador José Serra à Presidência e de Geraldo Alckmin à reeleição ao governo do Estado. Durante o evento, que contou com as presenças do presidente Fernando Henrique Cardoso e do presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer (SP), FHC cobrou, em tom enfático, a aprovação da prorrogação da CPMF.O pré-candidato dos tucanos à presidência, José Serra, foi o primeiro a subir no palco montado em um galpão destinado especialmente para o evento. O senador não discursou, porém, foi ovacionado por uma platéia de cerca de 500 pessoas que acompanhavam a cerimônia, a maioria vestida com camisetas com dizeres pró Serra e Alckmin. Do lado de fora do galpão, cerca de dois mil caminhões, a maioria com faixas de agradecimento ao governador Alckmin, estavam estacionados em todas as faixas dos sete quilômetros do Rodoanel, que vai ligar as Rodovias Régis Bittencourt e Raposo Tavares.Em seu discurso, o presidente FHC homenageou o governador Mário Covas, idealizador da obra, elogiou a gestão de Geraldo Alckmin e lembrou alguns feitos de Serra durante sua gestão no Ministério da Saúde. Ao cobrar dos deputados federais a aprovação da prorrogação da CPMF, ele prometeu destinar cerca de R$ 80 milhões, em duas parcelas, para as obras do Rodoanel: "É só não atrasar a CPMF que o povo agradece. Quero o voto de todos os deputados presentes aqui porque se não, estarão atrasando o Brasil." Ainda em tom exaltado, FHC disse: "O Governo não fabrica dinheiro". E concluiu: "Os deputados aqui sorriram para mim. Acho que entenderam a mensagem."Na cerimônia de entrega dos sete quilômetros do segundo trecho do Rodoanel, O presidente lembrou as obras de seu governo e garantiu que o Brasil está, neste momento, em clima de progresso: "Estabilizamos a moeda e moralizamos a administração pública." Ele disse, também, que nesses oito anos seu governo realizou grandes e importantes obras, nas áreas de hidrelétrica, portuária e rodoviária: "Não cuidamos só da moeda, como dizem. Cuidamos de mudar o País."Apesar de lembrar as realizações de seu governo, FHC reconheceu que ainda há muito a ser feito no País, mas, que sua administração tem o mérito de ter iniciado a construção de um País melhor, principalmente sob o ponto de vista social. "Estamos construindo o futuro e já plantamos as sementes." Para ele, o povo sempre entendeu suas medidas, destacando a crise energética e a URV. "O povo sempre entendeu e apoiou e há de entender também que a continuidade do progresso é importante. Eu confio neste povo," considerou, numa referência de que, para ele, a continuidade é essencial.FHC se reúne com tucanos em SPO presidente Fernando Henrique Cardoso se reúne hoje, por volta das 16 horas, na ala oficial do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, com o pré-candidato do PSDB à presidência, José Serra, o coordenador da campanha tucana, Pimenta da Veiga, e o presidente nacional do PSDB, José Aníbal. Entre os assuntos em pauta, as mudanças no quadro político, depois da renúncia da presidenciável do PFL, Roseana Sarney.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.