FHC: governo não se opôs a CPI para esconder alguma coisa

O presidente Fernando Henrique Cardoso disse há pouco em pronunciamento que está fazendo neste momento para apresentar um plano de combate à corrupção que o governo não se opôs à CPI para colocar algo debaixo do tapete ou esconder alguma coisa. Pois isso, segundo ele, "seria inaceitável". Na avaliação do presidente, o governo se opôs à CPI porque ela "misturava alhos com bugalhos, misturando algumas questões fantasiosas com outras procedentes, mas todas elas sendo investigadas". Na availação do presidente, a proposta de CPI tem um objetivo político pré-eleitoral e o que o País precisa hoje "é de trabalho". Ele disse ainda que as investigações em uma CPI são necessárias e o governo sempre procurou cooperar com comissões criadas no passado, tais como a do Judiciário e a do Sistema Financeiro, em 1999. FHC disse que o governo tomou a decisão de criar um grupo de trabalho de combate à corrupção porque as denúncias levantadas estão preocupando a opinião pública e, mais ainda, a ele próprio e ao governo.FHC deverá anunciar medidas a serem tomadas para coibir a corrupção e os desmandos. Acompanham o presidente no pronunciamento os ministros Chefe da Casa Civil, Pedro Parente; da Secretaria Geral da Presidência, Aloysio Nunes Ferreira; o advogado-geral da República, Gilmar Mendes; o procurador da República, Geraldo Brindeiro; o diretor-chefe da Polícia Federal, Agílio Monteiro; o secretário da Receita Federal, Everardo Maciel; e o secretário de Controle Interno do Ministério da Fazenda, Domingos de Castro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.