FHC garante manutenção da política econômica

O presidente Fernando Henrique Cardoso comentou a disparada da cotação do dólar ocorrida esta manhã, em entrevista coletiva no Canadá. Ele disse que o governo e o Banco Central têm instrumentos para utilizar nos momentos oportunos. Fernando Henrique acrescentou que a alta do dólar se deve a um nervosismo compreensível, mas exagerado. De acordo com o presidente, os reflexos da situação argentina na taxa de câmbio são conseqüência da especulação.Ainda segundo FHC, a situação argentina em relação às suas contas externas encontra-se sob controle, "portanto, a reação negativa se deve apenas a especulações do mercado e não é uma questão que nos preocupa". Em relação à questão interna brasileira, o presidente disse que houve um fato político que "acontece de vez em quando e que não tem nenhuma ligação com a economia, pelo menos de forma imediata. Acho que temos que tentar acalmar os espíritos e mostrar que o Brasil está crescendo e que o País tem uma capacidade produtiva muito boa", disse o presidente.O presidente fez ainda um apelo aos políticos e aos parlamentares brasileiros para pensarem no Brasil. Segundo ele, "querelas menores? não significam esconder problemas debaixo do tapete e sim não transformar os fatos políticos em ?obstáculo para a governabilidade?, o que é ?antipatriótico?. Na entrevista coletiva às imprensas brasileira e argentina, depois do café da manhã com o presidente Fernando De La Rúa, FHC disse ainda que "pode ser montada a quantidade de CPIs que quiserem porque o governo não tem nada a esconder". Ele disse ainda que "essas CPIs têm de ser no âmbito apropriado e em casos determinados e não para tumultuar a situação já que nisso o povo não acredita".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.